FMI: acelerar a vacinação geraria US$ 9 trilhões na economia global em 5 anos

FMI: acelerar a vacinação geraria US$ 9 trilhões na economia global em 5 anos
A diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, também afirmou que o dólar deve seguir como moeda de reserva internacional por pelo menos os próximos dez anos - Foto: Divulgação/FMI

A economia global conseguiria gerar um montante de mais de US$ 9 trilhões em recursos ao longo de cinco anos, caso a vacinação seja acelerada, segundo a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional, o FMI, Kristalina Georgieva.

Segundo a diretora do FMI, a aceleração viria a partir da alocação de US$ 50 bilhões para o combate à crise sanitária.

Durante painel na Conferência de Montreal nesta segunda-feira, 13, Georgieva disse considerar a imunização global a “principal política econômica” para o futuro próximo.

Dos US$ 9 trilhões que seriam adicionados à economia, cerca de US$ 1 trilhão iriam para economias avançadas por meio de receitas e tributos, segundo ela.

Ainda que espere um crescimento robusto, ao redor de 6% do Produto Interno Bruto (PIB) global em 2021, e acima de 4% em 2022, Georgieva afirmou estar preocupada com a “divergência perigosa” que se forma entre as recuperações de países que estão vacinando suas populações e que puderam liberar medidas de apoio fiscal ao longo da pandemia, e aqueles que têm dificuldade para fazer ambos.

Para a diretora-gerente do FMI, as medidas de apoio não devem ser retiradas neste momento, uma vez que a crise sanitária não terminou. Ela advogou, no entanto, a favor de um suporte mais “direcionado” a setores econômicos e sociais específicos.

Medida de emergência do FMI salvará meio milhão de vidas, diz o fundo

Com uma medida de situação de emergência, o FMI estima salvar 500 mil vidas até o fim do ano, dada a aceleração da vacinação nas nações ajudadas – considerando a acessibilidade e a priorização dos grupos de risco.

No montante total, são US$ 274 bilhões repassados às economias emergentes com a alocação dos Direitos Especiais de Saque (DES) – o que equivale a um aumento de 10% nas reservas internacionais.

A afirmação se deu no contexto de solicitação do G20, grupo das 20 principais economias do mundo, no fim de julho, para que o fundo implementasse uma liberação de liquidez de US$ 650 bilhões para os países membros até o fim de agosto.

A operação se dará com a maior alocação até hoje de DES, um ativo de reserva internacional emitido pelo FMI, gratuito e incondicional dentro dos limites de cotas que cada país tem no fundo.

Com informações do Estadão Conteúdo

Eduardo Vargas

Compartilhe sua opinião

Receba os destaques que irão movimentar o cenário econômico antes da abertura do mercado.

Inscreva-se