DIVIDENDOS

Emissão de títulos da Oi (OIBR3) podes complicar recuperação judicial, diz jornal

A possibilidade do pagamento dos títulos estarem atrelados à venda da operação móvel da Oi aumenta a pressão em cima da empresa.

Emissão de títulos da Oi (OIBR3) podes complicar recuperação judicial, diz jornal
Oi: rede de fibra ótica recebe investimento bilionário. Foto: Divulgação

A nova emissão de títulos da Oi (OIBR3) no mercado internacional pode complicar ainda mais a situação da empresa em recuperação judicial

Na última terça-feira (27), a Oi precificou sua oferta de títulos de dívida em US$ 880 milhões (cerca de R$ 4,526 bilhões). Os papéis vencem em cinco anos, mas podem ser liquidados em três anos se a empresa desejar.

Acontece que o pagamento dessa emissão muito provavelmente está vinculado à venda da operação móvel da companhia de telecomunicações. E já existem apostas de que, se depender do fluxo de caixa, a Oi não terá dinheiro suficiente para honrar a dívida até o final, de acordo com o Broadcast. 

No entanto, os papéis atraíram uma demanda expressiva: US$ 3 bilhões para a nova captação. De acordo com a coluna do jornal, o excesso de recursos no mercado e o retorno considerado bastante atraente, de 8,75%, justificam o sucesso.

Neste momento, o mercado entende que a Oi precisa de muito capital para dar conta da sua própria operação. Provedores regionais têm esquentado a concorrência, principalmente porque eles possuem operações mais leves, casos da Brisanet, Unifique e Desktop

As três empresas entraram recentemente na bolsa de valores e estão com o caixa abastecido para expandirem seus serviços. 

Pé de meia da Oi 

A companhia de telecomunicações deu como garantia para os investidores dos títulos o direito de uso do espectro das frequências do sinal de telefonia móvel. Trata-se de um recurso de último caso, se a empresa não cumprir com seus compromissos financeiros. 

Para critério de comparação, o espectro das frequências é um dos ativos considerados mais relevantes para as operadoras de telefonia

Além disso, a Oi se comprometeu a colocar em uma conta reserva mais de R$ 600 milhões ao mês para honrar as dívidas com o BNDES e outros R$ 200 milhões para os títulos.

A coluna do Broadcast destaca que essa nova dívida da Oi é mais barata do que a que está sendo paga agora com os recursos captados na emissão dos títulos. A empresa vai liquidar um empréstimo Debtor in Possession (DIP) tomado da Farallon Capital, que tinha as ações da Oi Móvel dadas em garantia.

Monique Lima

Compartilhe sua opinião

Receba os destaques que irão movimentar o cenário econômico antes da abertura do mercado.

Inscreva-se