Embraer (EMBR3) prevê que tráfego global retornará em 2024 aos níveis de 2019

Embraer (EMBR3) prevê que tráfego global retornará em 2024 aos níveis de 2019
Embraer (EMBR3)

A Embraer (EMBR3) informou ao mercado nesta quarta-feira (2) que prevê que o tráfego global de passageiros (medido em passageiros pagantes transportados por quilômetro – RPKs, na sigla em inglês) retornará em 2024 aos níveis de 2019, ainda ficando 19% abaixo do volume previsto pela empresa ao longo da década, até 2029.

“O impacto de curto prazo da pandemia global tem implicações de longo prazo na demanda por novas aeronaves”, disse Arjan Meijer, Presidente e CEO da Embraer Aviação Comercial.

Todavia, as projeções para os RPKs na Ásia-Pacífico são de que estes aumentem mais rápido, a 3,4% ao ano. Até 2029, serão entregues 4.420 novos jatos de até 150 assentos, enquanto 75% das entregas substituirão aeronaves antigas e 25% representarão o crescimento do mercado, informou a companhia aérea.

“Nossa previsão reflete algumas das tendências que já estamos observando – a aposentadoria antecipada de aeronaves mais antigas e menos eficientes, a preferência por aviões menores para atender à demanda mais baixa de forma lucrativa, e a crescente importância das rotas domésticas e regionais para as companhias na restauração do serviço aéreo. Aeronaves com até 150 assentos serão essenciais para a rápida recuperação da nossa indústria.”

Segundo a empresa, as entregas previstas serão divididas principalmente em:

  • Companhias aéreas da América do Norte: (1.520 unidades),
  • China e Ásia-Pacífico: (1.220 unidades).

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Enquanto 1.080 novos turboélices serão entregues até 2029. A maior parte das entregas será para companhias das seguintes regiões:

  • China e Ásia-Pacífico (490 unidades),
  • Europa (190 unidades).

Embraer tem prejuízo líquido de R$ 797 milhões no 3T20

A Embraer  apresentou um prejuízo líquido ajustado de R$ 797,5 milhões auferido no terceiro trimestre deste ano. O resultado líquido atribuído aos acionistas foi negativo em R$ 649 milhões. Neste mesmo parâmetro, o prejuízo acumulado de 2020 soma R$ 3,60 bilhões.

No mesmo período do ano passado, a Embraer reportou um prejuízo ajustado menor, de R$ 191,7 milhões. Além disso, a receita líquida também caiu no período. No terceiro trimestre de 2019, a receita foi de R$ 4,69 bilhões, enquanto neste ano atingiu R$ 4,09 bilhões.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado da Embraer saiu de R$ 75 milhões no terceiro trimestre do ano passado, para R$ 1 milhão neste ano. Dessa forma, a margem Ebitda do período ficou negativa em 1%.

Última cotação

A Embraer, cotada na B3 pelo ticker ‘EMBR3’, estava por volta das 16h13 cotada a R$8,24, em uma alta de 0,37%.

 

 

Rafaela La Regina

Compartilhe sua opinião