Embraer (EMBR3) investiga ataque cibernético em suas operações

A Embraer (EMBR3) informou que sofreu um ataque cibernético aos seus sistemas de tecnologia da informação, que resultou na divulgação de dados supostamente atribuídos à companhia na madrugada de 30 de novembro de 2020. Segundo fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o ataque foi identificado pela empresa em 25 de novembro.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/07/Lead-Magnet-1420x240-2.png

O problema deixou indisponível o acesso a apenas um ambiente de arquivos da companhia, informou a Embraer. Com isso, a empresa começou procedimentos de investigação e isolou alguns dos seus sistemas para se proteger, o que impactou algumas operações temporariamente.

“A companhia continua a operar com o uso de alguns sistemas em regime de contingência, sem impactos relevantes sobre suas atividades”, declarou a Embraer.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/07/Lead-Magnet-1420x240-2.png

Além da Embraer, outras empresas relataram problemas

A Embraer não é a única empresa a sofrer este tipo de problema. Nos últimos meses, várias companhias relataram ataques cibernéticos. Uma delas foi a Unidas (LCAM3), que no dia 23 de novembro informou ter sofrido um “incidente de segurança” que legou à interrupção temporária do funcionamento de alguns sistemas da companhia e de suas subsidiárias em ambiente de tecnologia.

Outra empresa afetada foi a Braskem (BRKM3BRKM5 e BRKM6), que teve problemas no acesso em parte de seus servidores e softwares, causados por um ataque de hackers.

O número de ataques hackers contra empresas no Brasil disparou durante a pandemia, segundo levantamento realizado pela companhia de cibersegurança russa Kaspersky. Por aqui, grandes empresas do setor elétrico foram atingidas por esse tipo de ataque cibernético, como as domésticas Energisa (ENGI11)Light S.A (LIGT3) e CPFL Energia (CPFE3) e as europeias EDP Brasil (ENBR3) e Enel.

Apesar da maior suscetibilidade das elétricas, outras empresas de diversos setores também foram vítimas de invasões, como a Avon, subsidiária de cosméticos do grupo Natura &Co. (NTCO3), e o conglomerado de commodities e logística Cosan (CSAN3).

No fato relevante divulgado hoje, a Embraer disse que está “empreendendo todos os seus esforços” para investigar as circunstâncias do ataque, avaliar se existem impactos sobre seus negócios e terceiros, e determinar as medidas a serem tomadas.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Controle-de-Investimentos.png

Natalia Gómez

Compartilhe sua opinião

Receba atualizações diárias sobre o mercado diretamente no seu celular

WhatsApp Suno