Economia dos EUA precisa de estímulos, afirma a diretora do Fed

Economia dos EUA precisa de estímulos, afirma a diretora do Fed
O Fed precisa dar mais estímulos para ajudar na recuperação da economia e do crescimento dos níveis de emprego.

A diretora do Federal Reserve (Fed), Lael Brainard, afirmou nessa terça-feira (1) que o banco central norte-americano deve gerar mais estímulos para ajudar na recuperação da economia e do crescimento dos níveis de emprego que foi recentemente impactada pela pandemia do coronavírus (Covid-19).

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

lead suno background

Brainard falou sobre a nova estratégia do Fed que impõe uma meta de inflação média de 2%, divulgada na última semana, no dia 27 de agosto, vinculando o tema com a necessidade da existência de um estímulo monetário adicional nos Estados Unidos.

“Será importante fornecer o estímulo necessário para atingir o emprego máximo e inflação média de 2% ao longo do tempo”, afirmou a diretora do Fed, “Como a recuperação provavelmente enfrentará obstáculos relacionados à Covid-19 por algum tempo nos próximos meses, será importante que a política monetária passe da estabilização a estimulativa”.

Conheça o Suno One, a central gratuita de informações da Suno para quem quer aprender a investir. Acesse clicando aqui.

Apesar da declaração feita sobre a necessidade dos estímulos econômicos, Brainard afirma que as eleições presidenciais dos EUA, que ocorrerão no dia 3 de novembro desse ano, irão definir as próximas decisões feitas pelo Fed sobre qualquer possível auxílio.

Fed adota média de inflação de 2%

Na última quinta-feira (27), o presidente do Fed, Jerome Powell, anunciou uma nova estratégia de recuperação da economia, impondo uma meta de inflação média de 2% nos EUA.

O Fed buscará alcançar inflação de 2% em média ao longo do tempo, compensando os períodos que não a atingirem com inflação mais elevada “por algum tempo”.

O presidente do Banco Central afirmou que os cidadãos desempregados precisarão do auxílio do governo americano para se restabelecerem. “Há uma parte em particular da economia que envolve reunir as pessoas e alimentá-las, levá-las para viajar no país, fazê-las dormir em hotéis, entretê-las”, afirmou Powell em um evento anual econômico do Fed, que foi feito remotamente.

Saiba Mais: Fed alerta sobre risco para economia e adota média de inflação de 2%

De acordo com o presidente do Fed, “essa parte da economia encontrará bastante dificuldade para se recuperar”. “São milhões de pessoas que acharão difícil encontrar trabalho. Precisamos ficar ao lado dessas pessoas… Estamos vendo um longo período de provavelmente alguns anos, no mínimo”, disse Powell. Mesmo assim, o presidente do Fed não deixou de citar a “grande força na economia” do EUA.

Após o evento da semana passada e a reunião de política monetária ocorrida em setembro, as autoridades do Fed não se reunirão novamente até o dia seguinte à eleição.

 

Rafaela La Regina

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO