Copom vem sem grande surpresas e amanhã ‘imperará’ a decisão do Fed, dizem especialistas

Copom vem sem grande surpresas e amanhã ‘imperará’ a decisão do Fed, dizem especialistas
Na quinta, os juros oscilaram o dia todo perto da estabilidade, alternando viés de alta e de baixa durante a sessão para encerrarem próximos dos ajustes anteriores - Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Em linha com a projeção esperada no mercado, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a taxa básica de juros (Selic) em 0,75 ponto percentual, para 4,25% ao ano, e retirou o trecho relativo ao ajuste parcial.

O Copom chamou atenção para a persistência da pressão inflacionária maior do que o previsto, sobretudo entre os bens industriais. A demora para a normalização nas condições de oferta, a resiliência da demanda e a deterioração do cenário hídrico seriam fatores adicionais que contribuem para a alta da inflação.

“É uma forma indireta de falar em uma chance grande de continuidade de aumento da taxa de juros”, avaliou Fernanda Consorte, economista-chefe do Banco Ourinvest.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Vídeo Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

O órgão do Banco Central (BC) indicou ser apropriada a normalização da taxa de juros para patamar considerado neutro. O Copom já contratou um novo aumento de 0,75 ponto percentual, o qual levaria a taxa Selic a 5,00% ao ano, em continuidade do processo de normalização monetária.

No final do dia, uma decisão esperada pelo mercado, disse Daniel Miraglia, economista-chefe da Integral Group. Para amanhã, o especialista espera a precificação com maior intensidade sobre a posição do Federal Open Market Committee (Fomc), nos Estados Unidos.

A hora do Fomc

Não foi só o Copom que se pronunciou nesta quarta. Mais cedo, o Federal Reserve (Fed) manteve a taxa de juros referencial dos Estados Unidos no intervalo entre 0% e 0,25%, uma decisão já aguardada pelo mercado.

O interessante foi a previsão da autoridade monetária central norte-americana de um aumento da taxa de juros até o fim de 2023, antes do previsto. “[Jerome] Powell afirmou claramente que está na hora de começar a ‘falar sobre falar’ de subir taxa de juros e reduzir os estímulos à economia”, declarou Daniel Miraglia. O mercado não espera por isso.

Ainda assim, o mercado brasileiro reagiu apenas parcialmente, porque estava à espera da decisão do Copom. E, como a divulgação veio em linha, fica ofuscada pelo Federal Reserve.

“Embora o tom do comunicado tenha subido, para taxa de câmbio, imperará a decisão de hoje do Fed,” a qual “deve continuar pesando sobre emergentes além da decisão mais conservadora do banco central brasileiro”, ponderou a economista-chefe do Banco Ourinvest, Fernanda Consorte.

Impacto pequeno do Copom

Na análise de Fernando Siqueira, gestor da Infinity Asset, o impacto da decisão do Copom sobre o mercado deve ser pequeno, dado o resultado esperado e embutido no preço dos ativos.

O aumento da taxa de juros beneficia, em primeiro lugar, a renda fixa pós-fixada, como CDBs e LFTs, os quais passam a render mais, destacou o especialista. As ações de empresas do setor financeiro e de seguros também estão entre os favorecidos pela elevação da Selic.

Do outro lado, ações em geral e fundos imobiliários (FIIs) são penalizados pelo movimento, “dado que a concorrência com outros investimentos fica desfavorável”, explicou Siqueira.

A posição do Copom pesa ainda sobre a renda fixa pré-fixada, a qual deve sofrer junto, por conta da sinalização de um aumento mais forte na taxa de juros.

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião

Manual 10 passos essenciais para se tornar um investidor de sucesso. Baixe Grátis!

Baixar agora!