Piter Carvalho

Sonho de verão

O cenário interno segue melhor que o esperado pelos mais otimistas - mas o momento de queda na bolsa é um reflexo da saída do investidor estrangeiro, que tem sido enfeitiçado pelos juros altos nos EUA

O Brasil tem feito sua lição de casa e se esforçado para passar de ano, mesmo que seja com nota seis. O país conseguiu caminhar bem com o novo arcabouço fiscal que entra em prova de fogo já com o orçamento do próximo ano. Avançou com a primeira parte da reforma tributária, que depois de 30 anos conseguiu tramitar pelo congresso e agora já almeja uma futura reforma administrativa. Enfim, o cenário interno segue melhor que o esperado pelos mais otimistas com o novo governo petista, mas isso não tem se refletido na bolsa de valores que caiu 5% em agosto e subiu apenas 0,71% em setembro.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/07/Lead-Magnet-1420x240-2.png

O momento de queda na bolsa é um reflexo da saída do investidor estrangeiro, que tem sido enfeitiçado pelos juros altos nos EUA. A alta dos juros americanos, seja de curto ou longo prazo, acaba enxugando dinheiro do mundo todo, inclusive de países emergentes como o Brasil. Ocorre que os investidores estrangeiros acabam preferindo a segurança da economia americana e os juros altos para aportar seu capital em momento de tanta incerteza pelo mundo. Com isso os títulos do tesouro americano viraram porto seguro dos grandes investidores mundiais, que aproveitam por exemplo um título de 10 anos pagando mais de 4,25% ao ano e ainda tem ousadia de pedir mais prêmio nos leilões desses títulos, após o rebaixamento da nota de crédito americana.

Para sair do Brasil, investidor estrangeiro vende suas ações na bolsa e compra dólar, causando então como reflexo desse movimento a queda da bolsa brasileira e alta do dólar que já bateu R$ 5. Hoje a participação do investidor estrangeiro na bolsa brasileira é maior que 50%, isso porque o brasileiro ainda está surfando a onda de juros altos e com medo de novas quedas como ocorreu no período do Covid no mercado de ações, mesmo sabendo que a bolsa brasileira está muito barata e que esse é o melhor momento de comprar bons ativos com preço baixo. Outro fator que impede a maior participação do brasileiro no mercado acionário é sua alocação em renda fixa de longo prazo, dessa forma o investidor acaba esperando o vencimento desses ativos para pensar em realocar em outras classes de ativos como ações, enquanto isso vive dos rendimentos de 1% ao mês sem riscos ou turbulências.

Muitos devem estar se perguntando: por que investir lá fora se ainda temos juros altos de 12,75% ao ano? Sim, nossos juros são maiores do que que os EUA, mas nosso mercado ainda não traz a mesma confiança que o americano possui nem tem a mesma liquidez dos ativos americanos que são transacionados pelo mundo todo. Para esses leitores com cara de interrogação eu deixo outra questão: Vocês preferem uma mala cheia de reais ou cheia de dólares? Creio que 100% dos leitores qualificados dessa coluna vão preferir a mala cheia de dólares – logo isso responde a primeira dúvida.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/07/Lead-Magnet-1420x240-1.png

Fica a dúvida de como a economia americana vai se comportar nesse cenário de juros altos, mas até agora tem ocorrido quase tudo bem, com mercado de trabalho aquecido, salários altos, bolsa subindo, PIB crescendo etc. Entretanto, já tivemos a falência de três grandes bancos e outras empresas já passaram pela mesma situação, principalmente com seu caixa desvalorizando frente aos novos títulos de dívida americana que pagam juros mais altos. Como pano de fundo desse quadro que lhe apresentei, ainda tem a inflação que persiste na economia americana e europeia e não dá sinais de quando pode arrefecer.

Enfim, o cenário não é tão fácil de interpretar – por isso o fluxo de capital acaba preferindo o porto seguro mais próximo em detrimento de economias que ainda não estão maduras e não dão certeza de que poderão sobreviver as próximas tempestades. Dessa forma, o Brasil acaba não saindo da sua crise no mercado de ações e sua bolsa de valores fica de lado e cheio de boas oportunidades, mesmo tendo feito a toda a lição de casa e se esforçado muito nesse ano.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Nota

Os textos e opiniões publicados na área de colunistas são de responsabilidade do autor e não representam, necessariamente, a visão do Suno Notícias ou do Grupo Suno.

Piter Carvalho
Mais dos Colunistas
Vitor Mineo A importância de investimentos dolarizados

O Plano Real foi implementado em julho de 1994 com o objetivo de controlar a hiperinflação da época, e estabilizar a economia brasileira. Como parte do plano, foi cria...

Vitor Mineo
Victor Bessa Não pare de comprar: A Grande Lição da Maior Bolha Financeira da História

Você sabia que a economia do Japão, hoje conhecida por estar estagnada há décadas, com um histórico de deflação e pouquíssimo crescimento econômico, já foi considerada...

Victor Bessa

Compartilhe sua opinião

Receba atualizações diárias sobre o mercado diretamente no seu celular

WhatsApp Suno