Luiz Fernando Quaglio

O papel do ESG na rentabilidade

Investidores conscientes devem sempre examinar a fundo todas as informações públicas que as companhias dispõem

Investidores conscientes devem sempre examinar a fundo todas as informações públicas que as companhias dispõem. Se os recursos tradicionais de informação de finanças são importantes para uma boa avaliação, para as questões sócios ambientais são fundamentais. É crucial que que se verifique as abordagens ESG para analisar as empresas e investimentos de forma mais completa e abrangente possível.

Dentro de uma abordagem inicial é factual que pensemos que há uma correlação direta entre fatores ESG e desempenho financeiro. Afinal, empresas mais sustentáveis tendem a possuir um impacto positivo e, dentro de um arcabouço moral (e no imaginário) isso tem um valor simbólico que pode se materializar financeiramente se assim for reconhecido pelo mercado e integrado ao preço do serviço ou produto.

Ainda, por estarmos num momento especial de transição, é factível que se possa argumentar que a relação entre ESG e este desempenho se deve ao fato de que as empresas mais lucrativas têm recursos para investir em áreas que influenciam positivamente ESG. Também pode ser que a lucratividade aumente como resultado de uma empresa administrar melhor seu riscos ESG materiais, ou pode ser um pouco de ambos. Se for um pouco dos dois, isso significa que as boas iniciativas ESG aumentam o desempenho financeiro, o que então fornece os recursos monetários para investir para ser uma empresa ESG ainda melhor, o que aumenta o desempenho novamente e assim por diante.

No entanto, apesar dos efeitos da sustentabilidade ainda não sejam ratificados diretamente nos preços e ainda que não seja possível quantificar seus efeitos no longo prazo, podemos afirmar que os efeitos de transição para um modelo econômico mais sustentável terão capacidade de afetar os portfolios e precisarão ser integrados a estratégias de alocação de longo prazo.

Empresas que incorporam fatores ESG em seu planejamento estratégico de longo prazo – e comunicam esse fato aos investidores -, fornecem uma imagem mais completa de seu valor e potencial. Alguns dados de pesquisa nos dão algumas pistas desta ligação entre a integração ESG e rentabilidade ligada ao valor.

Desempenho operacional e preço das ações das empresas

Um estudo da Universidade de Oxford de 2015 avaliou centenas de estudos que verificaram como as práticas corporativas sustentáveis ​​afetaram os retornos de investimento e mostraram que o desempenho operacional e do preço das ações das empresas podem ser positivamente influenciados por boas práticas de sustentabilidade e ESG¹. Em resumo, verificou-se que:
90% dos estudos mostram que empresas com políticas e alta performance ESG possuem menos custo de capital.

  • 88% dos estudos mostram uma correlação positiva entre sustentabilidade e performance operacional;
  • 80% demonstraram uma correlação positiva entre sustentabilidade e performance das ações.

Na prática, há uma complexidade em integrar com sucesso os fatores ESG no processo de investimento a fim de capturar o alfa claramente demonstrado em pesquisas acadêmicas. Inclusive, existe uma gama extensa de dados corporativos “excessivos” ou fora do eixo das prioridades das companhias que podem aparecer como “ruídos” e mascarar potencial o valor potencial daquele determinado ativo.

As metodologias que medem e quantificam o desempenho ESG de uma empresa variam amplamente, assim como a qualidade das pesquisas ESG existentes. Essas questões de “qualidade e quantidade” podem alimentar uma visão equivocada de que o ESG não tem valor e que incorporar informações podem afetar negativamente o desempenho.

Para tanto, há um consenso de que os fatores ESG bem executados carregam em si alguns “drivers de valor”. Alguns deles estão relacionados a:

  • Aumento do potencial crescimento, dada a qualidade dos ativos
  • Redução de custos
  • Mitigação de riscos regulatórios e operacionais
  • Aumento de produtividade

Alocação e otimização de recursos incluindo dados não financeiros. Analisar os dados ESG para identificar o que é útil é uma etapa central para qualquer etapa de integração bem sucedida. Investidores que se utilizam das abordagens ESG entendem que as informações são imperfeitas e, muitas vezes, distorcidas, havendo uma necessidade de “limpar” os dados para obter clareza. Esse processo pode implementar alavancas de oportunidades e gerar negócios com alto potencial de retornos superiores às médias do mercado.

Fontes:

1. From the Stockholder to the Stakeholder, Oxford University and Arabesque Partners Study. 2016. In “Sustainable Investing”.

Nota

Os textos e opiniões publicados na área de colunistas são de responsabilidade do autor e não representam, necessariamente, a visão do Suno Notícias ou do Grupo Suno.

Tags
Luiz Fernando Quaglio
Mais dos Colunistas
Patricia Nader Como a minha empresa pode se tornar mais ESG friendly?

Sem dúvida os parâmetros que regem o ESG possuem uma importância muito relevante no mercado e prometem ampliar ainda mais espaço no mundo corporativo das gerações futu...

Patricia Nader
Luiz Fernando Quaglio O desafio de democratizar o ESG no Brasil

“As terras situadas ao sul do Rio Grande constituem um mundo diferente do Canadá e do Estados Unidos. E é uma coisa desafortunada que as partes de fala inglesa e latin...

Luiz Fernando Quaglio

Compartilhe sua opinião