João Canhada

Bitcoin acabou de destruir o último pilar da colonização e poucos perceberam

País pouco falado nos jornais brasileiros se tornou o primeiro da África a autorizar oficialmente o uso de criptomoedas

No dia 25 de abril, alguns jornais do mercado de criptomoedas noticiaram que um país pouco falado nos tabloides brasileiros estava se encaminhando para tornar-se o primeiro da África a autorizar oficialmente o uso de criptomoedas e decretar o fim o último pilar de um tipo de colonização pouco conhecida: a monetária.

Estou falando da República Centro-Africana, um país com população estimada de 5 milhões de habitantes, com um PIB per capita de apenas US$ 8823, sendo o quinto mais pobre do mundo.

A região foi explorada por diversas potências mundiais com sua população escravizada nos séculos XVI e XVII. Já no século XIX companhias francesas exploraram à exaustão os recursos naturais e os povos locais foram dizimados devido a doenças e fome.

Apenas em 13 de agosto de 1960 a região conseguiu independência dos colonizadores franceses, data comemorada até hoje no país como se fosse nosso 7 de setembro. A colonização invisível e sangrenta do dinheiro.

Apesar da grande conquista na década de 60, os franceses continuam sua exploração da região na forma de colonização econômica. Isso acontece com o uso obrigatório da Central African Franc (CFA ou XAF), uma moeda controlada pela França e autoridades europeias.

A CFA é atualmente usada por 6 Estados independentes, que juntos detêm uma população de 55,2 milhões, um PIB de US$ 113,32 bilhões e uma região lotada de recursos naturais estratégicos. O mesmo sistema é aplicado para a West African Franc ( XOF) com mais 8 países.

A ideia de ambas é ser estável, pois a moeda estaria garantida pelo Banco Central francês com franco e posteriormente com euros. Isso significa que esses países não controlam a moeda que usam e são dependentes das políticas de Bruxelas.

Em 2020, o presidente Emmanuel Macron prometeu acabar com a CFA. Contudo, as mudanças eram apenas estéticas, como o nome que será ECO, mas o controle monetário real continuará nas rédeas de Paris.

A dominação invisível da região, entretanto, está sendo desafiada por uma nova leva de políticos e tecnologias.

Não que os políticos regionais não quisessem se livrar das rédeas francesas. O presidente Sylvanus Olympio, do Togo, e Thomas Sankara, de Burkina Faso, lutaram contra o sistema colonial-monetário do XAF e ambos acabaram mortos pouco tempo depois.

Em 2018 um ativista beninense foi preso por queimar uma nota de 5000 CFAs, levando a protestos contra a moeda e a ação do governo.

A caixa de pandora foi aberta com o Bitcoin. Mas, se antes a dominação monetária parecia inevitável devido ao poderio militar francês, agora a vantagem está do lado dos mais fracos.

Com a invenção do Bitcoin, os detentores de uma propriedade não necessitam mais depender apenas da força física. A criptografia permite que os mais fracos consigam se defender, dando, pela primeira vez na história, vantagem para os não-agressores.

A criptografia do bitcoin permite a criação de um sistema seguro, garantindo a propriedade privada por meio de avanços criptográficos que se acumulam principalmente após a década de 40 e culminaram na invenção do Bitcoin em 2008.

A partir de então a caixa de pandora foi aberta e agora países dominados monetariamente podem se apoiar em um sistema previsível de emissão, que protege a propriedade privada mesmo em cenários adversos e é aberto ao comércio global.

Primeiro foi El Salvador, emancipando-se das taxas de grandes bancos norte-americanos, agora a República Centro-Africana abre precedentes para outros países chutarem os colonizadores monetários.

Nota

Os textos e opiniões publicados na área de colunistas são de responsabilidade do autor e não representam, necessariamente, a visão do Suno Notícias ou do Grupo Suno.

João Canhada
Mais dos Colunistas
João Canhada Bitcoin e o sonho de uma economia livre

Nos últimos meses vimos diversas potências mundiais utilizando de uma arma de guerra que não precisa de disparos, explosivos, mas que potencialmente tem um papel tão d...

João Canhada
Rodrigo Amato Transparência e conveniência no mercado de capitais

O mercado de capitais está em um momento de transformação, especialmente das relações entre seus participantes, pois há novas plataformas de acesso surgindo e isso pod...

Rodrigo Amato

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO