Diogo Angioleti

Equilíbrio de desejos e necessidades na compra de materias escolares

À medida que o período de volta às aulas se inicia, pais e responsáveis se deparam com um desafio financeiro e emocional: adquirir os materiais escolares necessários sem desequilibrar o orçamento familiar

À medida que o período de volta às aulas se inicia, pais e responsáveis se deparam com um desafio
financeiro e emocional: adquirir os materiais escolares necessários sem desequilibrar o orçamento
familiar. Este artigo propõe estratégias para equilibrar os desejos dos estudantes com a realidade
financeira, com uma experiência de compra mais consciente.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240-Banner-Home-1.png

Primeira lição é a compreensão e diálogo, que considero a base do planejamento familiar.
Estabeleça uma conversa franca e construtiva com os estudantes. Explique a importância de
diferenciar desejo de necessidade, melhorando a consciência financeira desde cedo. Use exemplos
práticos para ilustrar como a escolha de um material mais acessível pode permitir a aquisição de
outro item desejado, promovendo o equilíbrio.

Depois vem a importante tarefa da pesquisa e comparação: praticamente uma aula na arte de
economizar
. Antes de realizar as compras, dedique um tempo para pesquisar preços. O PROCON
realiza pesquisas em várias cidades e publica as variações de preço nos itens de papelaria. Por
exemplo, no início deste ano, foram identificadas variações de até 600% em dez sites pesquisados,
segundo o PROCON do Rio de Janeiro – RJ. Portanto, compare preços online e offline. Incentive seus
filhos a participarem deste processo, tornando-o uma atividade educativa sobre o valor do dinheiro.

Para tirar nota dez, reaproveite. Faça uma análise dos materiais do ano anterior. Muitas vezes, itens
como mochilas, estojos e até mesmo alguns utensílios podem ser usados novamente. Convide as
crianças a personalizarem e criarem capas estilizadas e faça tudo virar uma brincadeira e um item
exclusivo. Essa prática ensina sobre sustentabilidade e consumo consciente, valores essenciais em
um mundo de recursos finitos.

Não vai esquecer a lista de compras na hora da prova. A organização é extremamente importante.
Elabore uma lista com o que precisa realmente ser comprado, pois esse simples ato ajuda a evitar
compras impulsivas e desnecessárias. Envolva a criança no processo e aproveite para explicar o valor
das coisas. Isso pode ajudá-la a compreender o que o dinheiro pode comprar. A criança também
pode aprender a escolher entre os itens que cabem no bolso e entender a importância de focar no
essencial, o que contribui para uma prática econômica desde cedo.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240_TEXTO_CTA_A_V10.jpg

Tem trabalho em grupo? Sim às compras coletivas. Cooperação pode ser um jeito de ganhar
descontos. Considere organizar ou participar de grupos de compras coletivas. Comprar em maior
quantidade geralmente traz melhores preços. Além disso, essa é uma prática que fortalece laços
comunitários e ensina sobre a importância do trabalho em equipe.

Cuidado com o barato que sai caro. Avalie a qualidade e pense no investimento a longo prazo.
Algumas vezes, optar por um produto de mais qualidade, mas mais caro, pode significar economia a
longo prazo. Materiais mais duráveis evitam a necessidade de reposição frequente, o que pode ser
mais econômico no decorrer do ano. Fazer esse tipo de conta é importante.

Por fim, para passar de ano na educação financeira é importante entender que a volta às aulas é
um momento de renovação e expectativas. Ao adotar estas práticas cultivamos nas crianças o valor
da responsabilidade, do planejamento e da consciência financeira e socioambiental. Encarando esse
período como uma oportunidade de aprendizado, transformamos um desafio em uma experiência
enriquecedora para toda a família.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Nota

Os textos e opiniões publicados na área de colunistas são de responsabilidade do autor e não representam, necessariamente, a visão do Suno Notícias ou do Grupo Suno.

Diogo Angioleti

Compartilhe sua opinião