Carolina Cabral

Startups, ESG e a construção do futuro

O mercado de startups nunca foi tão concorrido. É importante iniciar as operações com o pé direito, e isso passa invariavelmente por mergulhar de cabeça e levar a sério políticas ESG

O mercado de startups nunca foi tão concorrido: em 2022, o Brasil registrou 11.562 delas, de acordo com um levantamento da Cortex. A pesquisa ainda mostrou que, desse total, 28% são do segmento de Tecnologia da Informação, 22% da área de serviços e 16% do varejo; 11% são da área industrial e 6% da financeira. Só o Estado de São Paulo concentra 50% do total de empresas com este perfil.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/1420x240-2.png

Dá para entender agora por que é tão importante iniciar as operações com o pé direito, e isso passa invariavelmente por mergulhar de cabeça e levar a sério políticas ESG – sobretudo por causa da necessidade de captação de recursos. A razão é simples: empresas negligentes com o meio ambiente e com a sociedade não são vistas com bons olhos pelo mercado.

Um estudo feito pela plataforma Distrito, denominado Inside ESG Tech Report, indicou que as startups focadas em soluções ESG captaram US$ 991 milhões (cerca de R$ 5,48 bilhões), desde 2011. Várias delas são do tipo B2B, ou seja, atendem outras empresas, como Ambev, Natura, Votorantim e Itaú. Esses valores tendem a crescer cada vez mais, de acordo com as projeções. Dados da PwC dão conta de que o investimento em negócios que se preocupam com as pessoas e com o planeta deve atingir US$ 4,3 trilhões até 2030.

A grande questão é que muitas empresas nascem sem um planejamento concreto voltado para essa mentalidade. Embora os empreendedores saibam da importância do ESG para os negócios e tenham interesse em desenvolver iniciativas nesse sentido, a adesão às boas práticas ainda é limitada. Falta direcionamento e há muitos desencontros entre intenção e ação efetiva. Em muitos casos, há iniciativas, mas falta uma estratégia que integre as boas práticas.

Mas, afinal, como as startups podem aplicar mais o ESG e se empenharem nessas ações?

Primeiro, é preciso ter em mente que o ESG é uma sigla que vem do inglês Environmental, Social and Corporate Governance, que pode ser traduzida para Governança Ambiental, Social e Corporativa. Ou seja, é preciso considerar esses três pilares na hora de planejar.

No que tange à questão ambiental, há muitas iniciativas que podem ser aplicadas, como a logística reversa (reutilizando materiais que chegaram ao fim do seu ciclo produtivo), a energia renovável (investindo em fontes de energia limpa, como fotovoltaica, eólica, entre outras) e a redução do consumo (adotando também práticas de consumo consciente, seja no ambiente interno ou na fabricação de seus produtos). A relação entre o ESG e o meio ambiente é umbilical, uma vez que o valor de uma empresa está atrelado não somente a resultados financeiros, mas também a conquistas não materiais que refletem a missão e os propósitos de uma marca e a contribuição dela para a sociedade.

Sobre as questões sociais, há muitas ações que podem melhorar a relação da empresa com a sociedade. Projetos sociais, de diversidade e inclusão e também de preservação de dados – o leque é muito grande, principalmente porque as iniciativas podem ser direcionadas para a comunidade, para os clientes e também para os próprios colaboradores. Inclusive, no eixo Social encontra-se também a relação com fornecedores. Avaliá-los do ponto de vista dos critérios em ESG em relação a trabalho infantil, trabalho escravo, atuação em áreas desmatadas ou queimadas, promovendo transparência na relação, também faz parte da cultura ESG e é algo valioso para o mercado.

Na área de Governança, é preciso contar com práticas que promovam a transparência: mais do que divulgar informações obrigatórias, ela deve fazer parte da gestão como um princípio. Divulgar informações claras, objetivas e compreensíveis a todos os interessados em seu negócio. Para isso, a tecnologia pode trabalhar a nosso favor, apoiando na Gestão da Governança Corporativa.

As startups que nascem agora precisam saber que têm a responsabilidade de gerar impactos positivos na transformação social e ambiental. Isso precisa mover os empreendedores, porque, no fim das contas, todos ganham: a startup, que consegue atrair capital; os investidores, que têm ótimo Retorno Sobre o Investimento e a sociedade, que consegue suprir suas necessidades sem comprometer as gerações futuras. É assim que esperamos construir o futuro.

Nota

Os textos e opiniões publicados na área de colunistas são de responsabilidade do autor e não representam, necessariamente, a visão do Suno Notícias ou do Grupo Suno.

Carolina Cabral
Mais dos Colunistas
Nilio Portella Pensando como startup: uma abordagem para a inovação em qualquer contexto empresarial

Na última década, pensar como uma startup passou a ser sinônimo de decisões rápidas e baseadas em dados, de experimentação sem receio de errar, de estar na vanguarda e...

Nilio Portella
Luiz Gustavo Neves Por que muitas startups estão virando fintechs

Com as novas facilidades criadas pelos bancos digitais e a modernização do sistema bancário tradicional, faz sentido uma empresa de tecnologia que trabalha, por exempl...

Luiz Gustavo Neves

Compartilhe sua opinião