Erick Buzzi

Black Friday 2021: o ano da experiência omnichannel

Período de ofertas da Black Friday (e Cyber Monday) será marcado pelas empresas que construíram estratégias de sucesso durante o período de isolamento social e fechamento das lojas físicas

Estamos no último bimestre do ano e, com isso, nos aproximando do grande marco do varejo: a famosa Black Friday. Com a chegada da data e do fim dos piores momentos da pandemia, podemos começar a arriscar apostas e tendências de consumo para a era “pós-Covid-19”.

Acredito que este período de ofertas da Black Friday (e Cyber Monday) será marcado pelas empresas que construíram estratégias de sucesso durante o período de isolamento social e fechamento das lojas físicas. Isso porque a pandemia escancarou a necessidade de investimento em iniciativas de vendas físicas e digitais integradas. O tão falado Omnichannel.

Esta será a Black Friday do Omnichannel porque os consumidores se acostumaram com as facilidades criadas para driblar o cenário de restrição de circulação. A pandemia forçou os varejistas a ampliarem seus canais e melhorarem a logística de entrega, aprimorando a integração dos estoques e criando novas alternativas de retirada, por exemplo. Agora que os clientes já experimentaram esta experiência de compra fluida e integrada, continuarão querendo escolher onde e como fazer e receber as suas compras.

Esta nova realidade de compra e relacionamento com as marcas se dá por um conjunto de estratégias que trazem benefícios palpáveis para lojistas e clientes.

Mais pontos de contato com os clientes

O primeiro grande benefício é a ampliação de canais que estreitam relacionamento e aumentam a possibilidade de conversão. Quando os varejistas investem em lojas físicas, e-commerce, social selling (a venda em redes sociais) e o conversational commerce (a venda por WhatsApp, por exemplo), estão aumentando a sua presença nos mais diversos momentos da vida do cliente.

A adoção dos canais digitais cresceu vertiginosamente na pandemia devido ao fechamento das lojas físicas e ganhou novos e fiéis adeptos que esperam receber as melhores ofertas de um vendedor por WhatsApp na Black Friday ou garantir o item que desejam sem precisar sair da navegação na rede social. Os clientes também esperam mudar de um canal para outro com facilidade durante a jornada de compra. Os varejistas que estiverem atentos a esta realidade, possibilitando a inclusão de itens no carrinho no site mobile e permitindo a finalização no desktop, sem perder o carrinho montado, sairão na frente na Black Friday e em todos os outros momentos do ano.

Mais agilidade na entrega

Mais do que nunca, os consumidores estão buscando conveniência. Por isso, o prazo de entrega dos produtos é muito importante no momento de decisão de compra. Para ganhar mais agilidade, os varejistas têm adotado a estratégia ship-from-store, no qual a empresa utiliza o estoque das lojas físicas para atender pedidos feitos nos canais digitais. Neste formato, a loja é responsável pela separação, empacotamento e envio dos itens do pedido, economizando tempo e buscando uma maior eficiência na entrega.

As empresas que adotaram esta estratégia em tempo para a Black Friday terão melhores condições de valor de frete e tempo de entrega, o que aumentará as conversões e, certamente, a satisfação do cliente.

Outra alternativa de entrega adotada no comércio Omnichannel é a possibilidade do cliente retirar o produto comprado on-line em uma loja física, à sua escolha. Desta forma o comprador está usufruindo de todos os benefícios de uma compra on-line sem precisar pagar o custo do frete. Para o varejista, esta estratégia também é excelente para gerar tráfego para a loja, o que na Black Friday pode trazer outras ofertas e descontos exclusivos deste ponto de venda, além de oportunidades de aumento de ticket. São inúmeras as possibilidades para aumentar ainda mais as chances de conversão.

Otimização dos estoques

Para o sucesso do Omnichannel, é essencial transformar alguns processos. A gestão dos estoques precisa ser olhada com tanto cuidado quanto a gestão dos canais de venda. É preciso transformar a mentalidade da empresa para esta nova realidade integrada.

A modalidade ship-from-store, por exemplo, transforma as lojas físicas em centros de distribuição. Ou seja, o e-commerce e todos os outros canais existentes da empresa precisam se conectar aos diferentes estoques disponíveis, considerando as lojas físicas. Por isso, é essencial adotar uma solução tecnológica que permita esta gestão. Trabalhar com o planejamento dos estoques sob controle, garantindo a profundidade dos itens, permite o aumento do volume de vendas esperado na Black Friday.

Fica claro que o comércio Omnichannel será um forte impulsionador da Black Friday deste ano e as empresas que compõem o ecossistema de e-commerce precisam estar preparadas para um cliente exigente e mais consciente. A base da estratégia precisa ser colocar o consumidor no centro, valorizando sua relação e experiência com a marca. Acredito fortemente que a temporada de ofertas deste ano no Brasil será um marco para o que podemos esperar do futuro próximo: aumento do percentual de pessoas consumindo on-line e o crescimento do comércio digital de mercados menos disseminados.

 

Nota

Os textos e opiniões publicados na área de colunistas são de responsabilidade do autor e não representam, necessariamente, a visão do Suno Notícias ou do Grupo Suno.

Erick Buzzi
Mais dos Colunistas
Gustavo Asdourian O Last Mile e os seus principais desafios para o crescimento

As vendas por e-commerce vêm crescendo de forma acelerada no mundo todo. O Brasil não ficou atrás nesta tendência, atingindo volume recorde de pouco mais de R$ 160 bil...

Gustavo Asdourian
Alan Gandelman Ações de varejo: por que não param de cair

Depois de retumbantes altas das ações de companhias do setor do varejo na B3 (B3SA3) em 2020, neste ano essas mesmas empresas têm sido os ‘patinhos feios‘ do mercado, ...

Alan Gandelman

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO