Bianca Pereira

Principais desafios das startups: gestão financeira da captação à expansão

Não importa em qual estágio seu negócio esteja: em qualquer um deles é preciso manter a gestão financeira em ótima saúde. Afinal, é uma boa estrutura que irá determinar a escalabilidade e longevidade da startup.

Um negócio bem-sucedido começa com o básico bem feito – o mais simples e não é jargão repetir, pois vale para qualquer partner, futuro stakeholder que queira brilhar na constelação com a própria startup: a organização. A partir daí sabemos que a gestão financeira é o pavimento para essa potencial estrada de sucesso se abrir, desde o early ao late stage, passando pelas scale ups.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Na verdade, não importa em qual estágio seu negócio esteja: em qualquer um deles é preciso manter a gestão financeira em ótima saúde. Afinal, é uma boa estrutura que irá determinar a escalabilidade e longevidade da startup.

O melhor planejamento passa pela busca prudente de investidores com os perfis mais adequados ao seu negócio e pela captação com antecedência mínima de oito meses. A transparência e o bom relacionamento entre os parceiros são essenciais desde as primeiras reuniões e brainstormings. Ninguém quer perder tempo, dinheiro e saúde com discussões dispensáveis. Boas práticas nesse sentido são, por exemplo, estabelecer rotinas de conversas e o monitoramento diário de planilhas.

O conhecimento de finanças e parceiros estratégicos com reais afinidades sustentam esse ponto de partida, em conjunturas que usualmente se mostram instáveis, por isso a necessidade de ter tudo mapeado em detalhes e calculado, com preparação e consciência de que o capital investido pode levar mais tempo que o desejado até que os primeiros retornos aconteçam. Portanto, é preciso se munir de reservas para ficar cerca de um ano sem salário, nem contar com novos aportes dos investidores, além de precaver-se contra eventuais instabilidades macroeconômicas.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/Ebook-Acoes-Desktop.jpg

Nesse percurso, vale ressaltar que a gestão financeira em startups acontece por meio de um conjunto de processos, métodos e técnicas, seguindo as melhores práticas administrativas, que preveem as necessidades de custeio da estrutura que cada empreendimento seja capaz de montar, e a demanda de investimentos, a depender do modelo de negócio e dos indicadores atualizados do mercado em que pretende atuar. Sobretudo no early stage, é preciso ter em mente que o fluxo de caixa costuma se apresentar negativo, o que requer mais de uma rodada de investimento até alcançar o break-even point.

De fato, importa que os recursos sejam distribuídos de forma competente; a eficiência é o real chamariz estratégico para subir de patamar, potencializar os resultados do marketing, atrair novos investidores e clientes.

No final das contas, para precificar o produto ou serviço, uma boa gestão financeira aliada a uma contabilidade consistente favorece o controle, a transparência, a alavancagem de investimentos e a melhor tomada de decisões da startup, independentemente do estágio em que se encontre.

As startups, assim como quaisquer empresas, atravessam estágios de maturidade com seus respectivos desafios a serem superados: na fase inicial, com a busca de financiamento como principal característica – investidores-anjo, crowdfunding e empréstimos; de crescimento, no qual se visa ao aumento da base de clientes, equipe e equilíbrio financeiro; de consolidação, em que a meta principal é a manutenção da rentabilidade e solidez financeira, com rígido controle de gastos e maximização das fontes de receita e, finalmente, de expansão a novos mercados, sem grandes riscos a longo prazo.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Nota

Os textos e opiniões publicados na área de colunistas são de responsabilidade do autor e não representam, necessariamente, a visão do Suno Notícias ou do Grupo Suno.

Bianca Pereira
Mais dos Colunistas
Nilio Portella Pensando como startup: uma abordagem para a inovação em qualquer contexto empresarial

Na última década, pensar como uma startup passou a ser sinônimo de decisões rápidas e baseadas em dados, de experimentação sem receio de errar, de estar na vanguarda e...

Nilio Portella
Luiz Gustavo Neves Por que muitas startups estão virando fintechs

Com as novas facilidades criadas pelos bancos digitais e a modernização do sistema bancário tradicional, faz sentido uma empresa de tecnologia que trabalha, por exempl...

Luiz Gustavo Neves

Compartilhe sua opinião