Bianca Pereira

Como aperfeiçoar a eficiência operacional de times financeiros?

Como podemos otimizar a eficiência operacional da área financeira nas empresas? Otimização, hoje, é e deveria mais do que nunca ser a palavra de ordem para as empresas que operam no país

Na minha busca contínua por gerar mais valor para os times financeiros e na minha missão de apoiar os CFOs em tomadas de decisões estratégicas, li recentemente uma pesquisa do Insper/ HSM sobre o Perfil do CFO no Brasil. Foi interessante entender o momento e os principais desafios da posição. Entre os pontos abordados na pesquisa, estão algumas perguntas cruciais: ‘Como definir a estratégia do negócio?’; ‘De que forma conduzir iniciativas de otimização de gastos da companhia?’; e ‘Como promover transformação cultural?’.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2022/03/Ebook-Investindo-para-a-Aposentadoria-1.jpg

Dentre tantos desafios, resolvi trazer neste artigo algumas visões de como podemos otimizar a eficiência operacional da área financeira nas empresas. E isso se justifica porque otimização, hoje, é e deveria mais do que nunca ser a palavra de ordem para as empresas que operam no país. Nesse sentido, vejo como ponto fundamental a necessidade de os times financeiros buscarem a automação como forma de tornar seus processos mais eficientes.

Times mais inchados, processos exageradamente demorados, erros e retrabalho são alguns dos sintomas de falta de automação. E mais importante que automatizar é fazê-lo de forma inteligente. É importante calcular nesse processo o tempo economizado, a redução de erros, a redução de custos, o aumento de produtividade e a redução de tempo do fechamento financeiro.

Uma ótima forma de fazer isso – já adotada por várias big techs do mercado americano – é apostar e plugar os sistemas padrões em startups que resolvem problemas pontuais do negócio. Por exemplo, é possível utilizar softwares para automatizar a reconciliação bancária, emissão de relatórios financeiros com o Open Finance e processamento de pagamentos.

Adotar uma cultura “Data Driven”, na qual o profissional toma decisões a partir da análise e interpretação de dados, também deve ser prioridade zero nas empresas, já que a análise dos números e informações pode ajudar a identificar padrões e tendências que estejam afetando a eficiência operacional da equipe. Mas, para isso, é preciso inserir bons dados, para colher bons dados. Pois é dessa forma que o time conseguirá determinar as métricas importantes para o negócio. Por exemplo, analisar os números de vendas e despesas em um software de business intelligence pode ajudar a identificar padrões e tendências que estejam afetando a eficiência operacional da equipe financeira.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Investindo-no-exterior.png

Outro passo para trazer eficiência é investir no treinamento e desenvolvimento da equipe financeira. Seniorizar o time e conseguir fazer com que, cada vez mais, ele seja responsável por análises aprofundadas e tomadas de decisões diárias, faz com que, automaticamente, a empresa ganhe eficiência financeira. Desenvolver nos colaboradores habilidades como pensamento crítico pode aumentar a motivação e o engajamento da equipe, sendo essencial para o aprimoramento dos processos da empresa.

Além disso, quando se fala em eficiência financeira de todas as áreas da empresa, isso está diretamente ligado à eficiência operacional do negócio como um todo. Sendo assim, é importante, por exemplo, o financeiro estar atento às tomadas de decisões de contratações dos outros setores e aos gastos com Marketing, que já vi serem comumente relevados. É fundamental, ainda, que a área financeira trabalhe prioritariamente antecipando e prevendo potenciais problemas com gastos.

Como se vê, está nas mãos dos CFOs uma grande parcela do trabalho que manterá a empresa competitiva dentro do cenário atual.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/Ebook-Acoes-Desktop-1.jpg

Nota

Os textos e opiniões publicados na área de colunistas são de responsabilidade do autor e não representam, necessariamente, a visão do Suno Notícias ou do Grupo Suno.

Bianca Pereira

Compartilhe sua opinião