AGENDA

Crescimento da produção industrial da China desacelera em maio

Crescimento da produção industrial da China desacelera em maio
Por que o PIB da China vai ser o único a crescer em 2020

A produção industrial da China registra o menor patamar desde 2002 devido as tensões da guerra comercial. A economia chinesa enfrenta dificuldades desde quando começou a disputa com os Estados Unidos, com isso, a produção tem desacelerado e os investimentos tem diminuido.

Conforme a Agência Nacional de Estatísticas a produção industrial da China registrou crescimento de 5,0% em maio em comparação com abril. Entretanto, esse valor é abaixo das expectativas de 5,5% para o mês.

Além disso, os investimentos em ativos fixos não-rurais registraram nos primeiros cinco meses do ano crescimento de 5,6%. Esse valor é 0,05% abaixo das estimativas dos analistas.

No entanto, o setor vaejista surpreendeu a projeção dos economistas. Era estimado um valor de 8,2% para maio, entretanto, o mês registrou 8,6%. Esse valor demonstra uma recuperação em relação a abril que teve uma alta de 7,2%.

Guerra comercial

No dia 10 de maio deste ano, o presidente norte-americano, Donald Trump, decidiu colocar em vigor o aumento nas tarifas alfandegárias sobre os produtos importados chineses.

Por sua vez, no dia 13 de maio, a China aumentou as taxas sobre US$ 60 bilhões nos produtos norte-americano. Após o aumento do país chinês, Donald Trump decidiu classificar a líder em 5g em sua lista negra.

Saiba Mais: China cria plano para conter a desaceleração da economia

No dia 15 de maio, o presidente americano proibiu a empresa chinesa Huawei de comprar tecnologia americana sem a permissão do governo. Conforme Trump, essa medida foi imposta por conta do envolvimento da companhia em atividades contrária à segurança nacional.

Cinco dias após essa decisão, o Departamento de Comércio dos Estados Unidos garantiu uma lincença temporária para que a empresa possa fazer atualização de sistemas e aparelhos.

No dia 29 de maio a empresa processou os Estados Unidos pela proibição, alegando ser um ato inconstitucional, três dias depois, a China afirmou que criaria uma lista de empresas estrangeiras não confiáveis.

No dia 10 deste mês o presidente americano retornou a fazer ameaças de novas tarifas alfandegárias sobre os produtos chineses.

Ao ser perguntado se iria impor mais tarifas à China em entrevista ao “CNBC”, Trump respondeu que caso não encontre o o persidente da China, Xi Jinpin, no G20, que “sim, faria isso”.

Poliana Santos

Compartilhe sua opinião

Manual 10 passos essenciais para se tornar um investidor de sucesso. Baixe Grátis!

Baixar agora!