Casas Bahia (BHIA3) chega a acordo com credores, mas ações caem

As ações da Casas Bahia (BHIA3) caem na tarde deste terça-feira (3), mesmo com a notícia positiva de que a varejista conseguiu chegar a um acordo com credores para evitar a antecipação dos vencimentos de sua dívida.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/06/Lead-Magnet-1420x240-3.png

A dívida, que consiste em um certificado de recebíveis imobiliários (CRI) lastreado na oitava emissão de debêntures da empresa, foi emitida em 2022, avaliada em R$ 420 milhões.

As ações ordinárias da Casas Bahia (BHIA3), que chegaram a ser suspensas pouco antes da divulgação do fato relevante, despencavam 3,18%, a R$ 0,61, por volta das 13h35. No mesmo horário, as ações da sua principal concorrente, Magazine Luiza (MGLU3), caíam 5,19%, a R$ 2,01, assim como o Ibovespa, que recuava 0,64%, a R$ 114.327 pontos.

Cotação BHIA3

Gráfico gerado em: 03/10/2023
5 Dias

Segundo uma das cláusulas restritivas da emissão, os financiadores poderiam antecipar a cobrança caso a avaliação de rating da companhia caísse – o que aconteceu no início de setembro, quando a agência de classificação de risco S&P Global revisou a classificação das debêntures de brAA- para brA-. A decisão de hoje, portanto, é o não exercício desse item.

Vale lembrar que a agência atualizou as projeções para a Via após a varejista divulgar os resultados do primeiro semestre de 2023, indicando que a empresa não atingirá as metas de crédito esperadas em sua análise mais recente.

Em contrapartida, a Casas Bahia informou no fato relevante que os CRIs serão acrescidos de um spread complementar de 0,55% a partir da data de pagamento imediatamente subsequente à aprovação do pleito na assembleia, e que a varejista pagará um prêmio flat equivalente a 0,25%, multiplicado pelo prazo médio ponderado remanescente.

O pagamento do prêmio será efetuado no ambiente da B3 (B3SA3).

Em meados de setembro, a companhia captou 622,9 milhões em seu follow-onabaixo dos R$ 981 milhões previstos inicialmente, com o objetivo de fortalecer seu capital de giro. Para Fábio Lemos, sócio da Fatorial Investimentos, apesar do desejo dos credores em receber, no momento, a renegociação da dívida é a alternativa mais benéfica para a Casas Bahia.

“Ainda que envolva uma elevação de taxas na dívida, como se deve alongar o prazo, a companhia acabaria ganhando mais tempo para buscar uma solução e até mesmo contar com uma melhora no cenário macro de juros, que hoje também pressiona não só a companhia mas todo o setor”, destacou

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/Ebook-Acoes-Desktop-1.jpg

Casas Bahia (BHIA3) tomba 50,39%: veja as ações que mais caíram em setembro

O Ibovespa, principal índice de ações da B3, terminou setembro com uma alta de 0,71%, aos 116.565,17 pontos. Na máxima do mês, chegou a atingir os 119.780,20 pontos, enquanto a mínima foi de 113.365,75 pontos.

Mesmo com uma leve alta, o Ibovespa voltou a ter um fechamento mensal positivo, diante da queda de 5,09% registrada em agosto, interrompendo uma sequência de quatro altas mensais seguidas.

mercado de ações vem repercutindo as recentes mudanças e atualizações sobre a política monetária não apenas no Brasil, mas também no exterior, sobretudo nos EUA.

Um relatório da XP destaca maior aversão ao risco no exterior, o que também acabou pressionando os ativos de renda variável no Brasil, em meio a um discurso dos bancos centrais que mostra uma propensão de que os juros devam se manter elevados por mais um período.

“O tom recente do Federal Reserve foi mais duro do que o esperado, e agora temos o risco de que os preços mais altos de energia possam reacelerar a inflação. Nossa equipe de Economia XP revisou, recentemente, sua projeção para a taxa de juros dos EUA e agora está prevendo um aumento adicional de 25 pontos base”, disse o relatório da XP.

O documento assinado por analistas da XP também trouxe atualizações sobre o “valor justo” do Ibovespa para este ano, com sua cotação potencial saindo de 133 mil pontos e passando para 128 mil pontos na nova projeção, com uma redução na estimativa em cerca de 5 mil pontos.

Apesar de algumas ações brasileiras terem registrado fortes altas ao longo de setembro, alguns papéis acabaram se destacando no campo negativo.

Veja as 5 ações do Ibovespa que mais caíram em setembro:

  1. Casas Bahia (BHIA3): -50,39%
  2. Pão de Açúcar (PCAR3): -29,15%
  3. Magazine Luiza (MGLU3): -23,19%
  4. Vamos (VAMO3): -16,74%
  5. Lojas Renner (LREN3): -15,25%

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Planilha-controle-de-gastos.png

Casas Bahia (BHIA3)

As ações das Casas Bahia, ex-Via, perderam mais da metade do seu valor de mercado durante o mês de setembro. Além da mudança de nome e de ticker (antes VIIA3 e agora BHIA3), a empresa vem passando por uma reestruturação.

Porém, os resultados ruins, caixa desfavorável e diluição de investidores foram alguns dos fatores que pesaram fortemente no preço das ações em setembro. Também houve a renúncia do Vice-Presidente Comercial e de Operações das Casas Bahia, Abel Ornelas Vieira.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Controle-de-Investimentos.png

Giovanni Porfírio Jacomino

Compartilhe sua opinião