BRF (BRFS3): compra de ações pela Marfrig (MRFG3) pode ser revista pelo Cade

BRF (BRFS3): compra de ações pela Marfrig (MRFG3) pode ser revista pelo Cade
Foto: Divulgação BRF

A aprovação da compra de ações da BRF (BRFS3) pela Marfrig (MRFG3) pode ter mais capítulos, segundo a coluna Radar Econômico, da Veja. O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) deu parecer positivo, sem restrições, no dia 23 de setembro, porém, uma das conselheiras ainda tem dúvidas sobre a operação, diz a coluna.

A conselheira do Cade Lenise Rodrigues Prado pediu à Superintendência Geral mais informações consistentes e uma análise mais minuciosa sobre a compra da BRF pela Marfrig, que abarque o impacto em mercados de varejo, atacado e restaurantes.

Além disso, Prado afirma que não passaram por análise questões como a influência da Marfrig como acionista minoritário, “em especial um acionista que atua no mesmo setor, e que já foi concorrente ainda mais próximo quando atuava com a marca ‘Seara‘”, destaca o Radar Econômico.

Outra ponderação da conselheira é em relação ao tamanho do conglomerado e ao poder de portfólio que a BRF terá com a Marfrig como acionista.

“A atuação coordenada das requerentes em diversos segmentos tenderia a impactar significativamente a dinâmica concorrencial e ter efeitos tanto para fornecedores como para os consumidores”, disse em pedido encaminhado à Superintendência Geral.

Com base nessas ponderações, Prado pediu a avocação do ato de concentração, de modo que deve puxar para si a investigação dos pontos destacados, antes que o Conselho tome nova decisão.

O pedido de avocação da conselheira precisa passar pela análise do Cade na próxima sessão de julgamento.

Outro recurso contra a compra de ações da BRF pela Marfrig

Não é só a conselheira Lenise Rodrigues Prado que vê potenciais danos ao mercado concorrencial com a participação da Marfrig na BRF. O Instituto Brasileiro de Estudo e Defesa do Consumidor (Ibedec) também avalia que a transação é prejudicial a concorrentes e consumidores e entrou com recurso para tentar reverter a decisão do Cade.

O Ibedec diz que a transação esbarra no risco de fechamento do mercado de hambúrgueres, o que, em sua análise, deve lesar concorrentes e consumidores.

“É uma pauta importante aos consumidores. Em um país já pressionado pela inflação, concentrar mercado representa risco grave à cadeia econômica como um todo”, diz um trecho da petição enviada na sexta-feira, 08/10, ao tribunal administrativo do órgão antitruste.

O pedido do instituto é para o Cade dar um passo atrás e ouvir os atores do mercado antes de bater o martelo sobre a aquisição.

Em 21 de maio, a Marfrig realizou a compra de ações ordinárias da concorrente, atingindo participação de 24,23% do capital social. Em 3 de junho, a empresa adquiriu mais ações da BRF por meio de opções e em leilões realizados na bolsa brasileira até chegar a participação de 31,67%.

A porcentagem adquirida aproximou a Marfrig dos limites estabelecidos no estatuto da BRF para acionistas minoritários e também da cláusula de “poison pill” – mecanismo de defesa contra aquisições vistas como danosas às empresas adquiridas.

Monique Lima

Compartilhe sua opinião

Manual 10 passos essenciais para se tornar um investidor de sucesso. Baixe Grátis!

Baixar agora!