AGENDA

Patrocinado por:

Brasil concentra 70% dos investimentos em startups na América Latina; Nubank lidera ranking

Brasil concentra 70% dos investimentos em startups na América Latina; Nubank lidera ranking
Cartão Nubank. Foto: Reprodução Blog do Nubank

Até este mês de setembro foram aportados US$ 13 bilhões em startups latinas, montante 13 vezes maior do que o registrado em 2016. O dado é de um levantamento da Sling Hub Latam, com informações de 24,4 mil startups e 656 investidores localizados no Brasil, México, Chile, Colômbia, Argentina, Peru e Uruguai.

Entre os países latino-americanos, porém, o Brasil é o que concentra a maior parte dos investimentos destinados para as startups. Dos US$ 13 bilhões levantados neste ano, US$ 9 bilhões (70% do total) foram para empresas do ecossistema brasileiro.

O dado mostra um crescimento gradual de investimentos em companhias nacionais, considerando a concentração de 45% e 61% vista nos anos de 2019 e 2020, respectivamente.

A disparidade é tanta que o México, em segundo lugar, concentra somente 13% do volume total de investimento em startups, com um montante de US$ 1,7 bilhão. Confira o ranking abaixo:

  1. Brasil: US$ 9,238 bilhões (70%)
  2. México: US$ 1,758 bilhões (13%)
  3. Colômbia: US$ 931 milhões (7%)
  4. Argentina: US$ 566 milhões (4%)
  5. Chile: US$ 433 milhões (3%)
  6. Peru: US$ 86 milhões (1%)
  7. Uruguai: US$ 154 milhões (1%)

Conforme o levantamento, além da rede de startups do Brasil estar à frente no continente, o número de fusões e aquisições (M&A’s) também é relativamente grande em relação aos pares. São cerca de 83% de todas as startups adquiridas na América Latina localizadas no Brasil.

Em 2020, ainda que com a recessão econômica ocasionada pela pandemia, os M&A’s subiram 135% na comparação com o ano anterior e alcançaram 200 startups adquiridas. Segundo indicam os dados, 2021 deve a superar essa marca, considerando que já foram 195 startups adquiridas até o mês de agosto.

Boa parte das companhias adquirentes está listada em bolsa, como o Magazine Luiza (MGLU3) – que já comprou 25 empresas do nicho -, a Locaweb (LWSA3), a Americanas (AMER3) e o Méliuz (CASH3).

Salto no número de unicórnios catapultou mercado de startups no Brasil

Apesar disso, a Argentina ficava na frente no número de unicórnios (startups que valem mais de US$ 1 bilhão até pouco tempo. O documento da Sling mostra que até 2017 o país era o único com empresas de inovação nesse patamar.

No ano seguinte, contudo, o Brasil deu origem à sete companhias avaliadas acima desse valor. Ao todo, a América Latina soma 34 startups unicórnios, sendo 60% delas brasileiras, 17% argentinas e 11% mexicanas.

As companhias em questão se destacam, da mesma forma, nos aportes. Confira a lista de startups que receberam os maiores aportes, contendo sete brasileiras:

  1. Nubank – US$ 2,4 bilhões
  2. C6 Bank – US$ 2,2 bilhões
  3. Rappi (Colômbia) – US$ 2,2 bilhões
  4. Mercado Livre (Argentina) – US$ 2,0 bilhões
  5. Stone – US$ 1,5 bilhões
  6. Loft – US$ 900 milhões
  7. Kavak (México) – US$ 800 milhões
  8. Quinto Andar – US$ 700 milhões
  9.  VTEX – US$ 700 milhões
  10. Gympass – US$ 700 milhões

Segundo a CB Insights, em levantamento global, foram 725 startups que já romperam esta marca de US$ 1 bilhão em seu valor de mercado até o fim de junho. Nos setores que mais se popularizaram e entraram para o rol de unicórnios, as fintechs lideram as pesquisas.

Eduardo Vargas

Compartilhe sua opinião