Proventos

Bradespar (BRAP4) reduz a 3% participação na Vale (VALE3) e segue desinvestimentos

Bradespar (BRAP4) reduz a 3% participação na Vale (VALE3) e segue desinvestimentos
Bradespar (BRAP4) tende a seguir oscilações da Vale, dada a participação financeira da holding - Foto: Divulgação

A Bradespar (BRAP4) reduziu a sua participação no capital social da Vale (VALE3), maior companhia do Ibovespa, conforme comunicado ao mercado desta quinta-feira (13).

A participação da Bradespar caiu de 6% para 3,3% do capital da Vale, agora detendo 163,2 mil ações da Vale.

Após o fim do último acordo de acionistas da Vale no fim de 2019, as companhias que controlavam a mineradora por meio do grupo Valepar (posteriormente incorporados pela Vale em 2017), se tornaram acionistas de referência.

Porém, a mineradora se tornou oficialmente uma corporation nos anos seguintes, ou seja, uma companhia de capital e controle pulverizados.

À época, a Bradespar tinha cerca de 5,5% de papéis ordinários na Vale – posição quase tão grande quanto à da BlackRock, que gere o maior ETF do Ibovespa do Brasil.

Com a aprovação da redução de capital, a Bradespar estima que a participação na mineradora caia para cerca de 3,23% até o fim da operação, 0,07 pontos percentuais abaixo do nível atual.

À época do acordo, analistas viram a notícia como positiva, por existir espaço para um fechamento adicional do desconto de holding, que está atualmente em torno de 20%.

Com a operação mais recente, a Bradespar restituiu a seus acionistas em torno de 130,6 milhões de ações de emissão da Vale, conforme já havia anunciado ao mercado em geral em setembro do ano passado.

Segundo o documento arquivado pela Vale na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a “referida operação não visou a acarretar alteração na composição do controle ou na estrutura administrativa”, e a “Bradespar não é signatária de quaisquer contratos ou acordos que regulem o exercício de direito de voto ou a compra e venda de valores mobiliários”.

Analistas do Safra também viram o movimento como “bem positivo”, apontando que a Bradespar vai utilizar o valor patrimonial das ações para rateio e distribuição aos acionistas.

Apesar disso, a XP vê as ações da Bradespar com menos fôlego para o ano de 2022.

XP mantém compra mas corta target da Bradespar

Em seu parecer de janeiro deste ano, a XP Investimentos reduziu o preço-alvo para as ações da Bradespar de R$ 37,5 para R$ 32,80 e manteve a recomendação de compra para a companhia.

O preço-alvo mais baixo se deve à forte distribuição de caixa recente, que reduziu os níveis de caixa da holding, segundo relatório da XP. No entanto, os analistas destacaram que seguem otimistas com a Bradespar devido ao significativo potencial de valorização da Vale.

“Por fim, mantemos nosso desconto de holding justo de 20% e, portanto, preferimos Vale em vez de Bradespar”, afirmam.

Em 20 de dezembro, houve uma grande redução de caixa da Bradespar devido à entrega das ações da Vale aos acionistas. A redução de capital seguiu a proporção de 0,332373453 ação de emissão da Vale para cada ação de emissão da Bradespar. Também foram pagos dividendos no montante de R$ 6,04/ação.

Eduardo Vargas

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO