Bradesco (BBDC4): poupança pode compensar fim do coronavoucher e manter consumo

Bradesco (BBDC4): poupança pode compensar fim do coronavoucher e manter consumo
Pensar em problema fiscal e inflação no Brasil é absurdo, diz Luis Paulo Rosenberg

O economista-chefe do Bradesco (BBDC3; BBDC4), Fernando Honorato, considera que a possível queda no consumo em meio ao fim do auxílio emergencial (coronavoucher) no final do ano, poderá ser compensada pela poupança das famílias. O economista participou nessa terça-feira (10) do evento Bradesco Day, promovido pela instituição.

Durante o evento, o economista-chefe do Bradesco apontou que “haverá uma redução dessa massa no primeiro trimestre de 2021, com o fim do auxílio emergencial. Ainda assim, além do fato de que muitas das políticas continuarão estimulando a economia, como crédito, taxas de juros e a prorrogação de alguns programas, a poupança formada pelas famílias devem compensar o consumo perdido com o auxílio”.

Além disso, Honorato lembrou que o coronavoucher ajudou a sustentar o consumo ao longo deste ano, em meio a pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Conheça o Suno One, a central gratuita de informações da Suno para quem quer aprender a investir. Acesse clicando aqui.

Vale destacar que o custo total do coronavoucher, levando em consideração a prorrogação até o final do ano, fica em torno de R$ 321,8 bilhões.

Honorato salientou que o acúmulo de depósitos bancários cresceu 33,3% de janeiro até outubro desse ano, quando passou de R$ 2,4 trilhões no primeiro mês do ano, para R$ 3,2 trilhões no décimo.

Nesse sentido, o economista projeta que empresas e famílias usem essa poupança após o término do pagamento do coronavoucher. Assim, compensaria o consumo perdido.

Frente a isso, ele explica que “por isso, não imaginamos que haja uma grande queda do PIB no primeiro trimestre [de 2021]. Tem, sem dúvida, uma desaceleração da economia ao longo do primeiro semestre do ano que vem, mas nada que produza uma recessão sequer parecida com a que vimos neste ano”.

O economista ainda comentou sobre a recuperação de setores da economia e apontou que “temos visto que a utilização da capacidade instalada na indústria está acima da média história, voltando a níveis de 2014. Isso significa que a indústria precisa acelerar a produção para atender a demanda que tem. Os indicadores mostram grande queda dos estoques na indústria e de atraso no prazo de entrega de fornecedores. Isso tem comunicação com os níveis de inflação“.

Ademais, Honorato lembrou que o setor de comércio reporta estoques nos níveis mais baixos em mais de uma década, enquanto o prazo de entrega se mostra com mais atraso do que durante a greve dos caminhoneiros, que aconteceu em 2018.

Assim, o economista afirmou que “isso conta muito a respeito da continuidade do processo de crescimento. Se tem estoque para ser reposto e atraso para ser atendido, a indústria e comércio precisam seguir produzindo. Isso pode gerar algumas pressões inflacionárias. Imaginamos também que um pedaço desse risco inflacionário vai se concentrar no consumidor”.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

lead suno background

Em relação a taxa Selic, Honorato comentou que o Banco Central (BC) deve elevá-la para 3,5% já em 2021.

“Além disso, a dívida vai se aproximar do PIB e exigir um conjunto de ações para que ela seja manejável. Temos condição. É só preciso manter o teto de gastos e uma agenda mínima de reformas. Não precisa nem ser uma agenda super ambiciosa, basta que sejamos capazes de entregar resultados”, disse o economista-chefe.

Última cotação do Bradesco

Por volta das 16h50 a ação do Bradesco, negociada na B3 sob o ticker BBDC4, operava em alta de 6,54% aos R$ 24,44.

Laura Moutinho

Compartilhe sua opinião

Comece 2022 investindo nos melhores Fundos Imobiliários

Baixar agora!