Bolsonaro assina MP da ‘liberdade econômica’

Bolsonaro assina MP da ‘liberdade econômica’
Bolsonaro MP liberdade economica

O presidente da República, Jair Bolsonaro, assinou nesta terça-feira (30) a medida provisória da ‘liberdade econômica’. Com esse nome, o governo identifica o ato que reduz a burocracia para startups e pequenos negócios.

O presidente Bolsonaro assinou a medida provisória durante uma cerimônia no Palácio do Planalto. O ato altera as leis vigentes sobre pequenos negócios e startups. As novas regras entrarão em vigor após a publicação no “Diário Oficial da União”. Após isso, o Congresso Nacional terá até 120 dias para aprovar o texto, ou a MP perderá seu valor e as mudanças não terão mais validade.

Com essas mudanças, as pequenas empresas e startups não precisarão de alvará de funcionamento para testar novos produtos e serviços. Entretanto, essa redução de burocracia valerá desde que os itens não afetem a saúde ou a segurança pública e sanitária e não haja uso de materiais restritos.

Saiba mais: Bolsonaro rebate críticas sobre lei que dá aval para atirar em invasor de propriedade rural 

“A questão principal é se a atividade gera risco ou não, não o tamanho da empresa. Você pode ter empresa pequena e que gere risco. Se não oferece risco para a sociedade, o estado não precisa intervir. Vou dar um exemplo: atividade de corte e costura, de sapateiro, loja de roupas, não oferece risco à sociedade. Vamos deixar de exigir dessas atividades que tenham alvará, autorização, licenciamento, para que o estado possa focar usa energia nas atividades de médio e alto risco, que realmente oferecem risco para a sociedade”, informou o secretário de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel.

A definição de quais atividades podem ser consideradas como de baixo risco caberá a cada ente federativo. Entretanto, caso os estados ou municípios não façam a avaliação, valerá a listagem federal, que será elaborada pelo próprio presidente.

Veja os pontos tratados pela MP

O ministério lista 17 pontos sobre os quais a medida provisória trata. Veja abaixo:

  • Liberdade de burocracia: retirada qualquer tipo de licença, incluindo alvará de funcionamento, sanitário e ambientais para atividades de baixo risco, independentemente do tamanho da empresa;
  • Liberdade de trabalhar e produzir: o poder público e os sindicatos terão limitações nas restrições de horários de funcionamento do comércio, serviço e indústria.
  • Liberdade de definir preços: leis não poderão ser manipuladas visando diminuir a competição e o surgimento de novos modelos de negócios;
  • Liberdade contra arbitrariedades: fiscais não podem tratar dois cidadãos em situações similares de forma diferente;
  • Liberdade de ser presumido de boa-fé: qualquer dúvida na interpretação do direito deve ser resolvida no sentido que mais respeite contratos e atos privados;
  • Liberdade de modernizar: normas regulatórias desatualizadas terão um procedimento que afasta os efeitos de suas restrições para não prejudicar os cidadãos;
  • Liberdade de inovar: nenhuma licença poderá ser exigida enquanto a empresa estiver testando, desenvolvendo ou implementando um produto ou serviço que não tenham riscos elevados.
  • Liberdade de pactuar: contratos empresariais não poderão ser alterados judicialmente, incluindo sobre normas de ordem pública, se entre as partes tiverem sido livremente pactuadas;
  • Liberdade de não ficar sem resposta: todo pedido de licença ou alvará terá que ter um tempo máximo, que, quando transcorrido, significará aprovação pelo silêncio.
  • Liberdade de digitalizar: todos os documentos poderão ser digitalizados e descartados, reduzindo os custos de empresas;
  • Liberdade de crescer: a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) poderá retirar requerimentos para simplificar de imediato a carga burocrática pra sociedades anônimas, incluindo para o acesso de pequenas e médias empresas ao mercado de capitais;
  • Liberdade de empreender: decisões judiciais não poderão mais desconsiderar a personalidade jurídica sem demonstrar que esteja presente a má-fé do empresário;
  • Liberdade de redigir contratos com padrão internacional: decisões judiciais não poderão fazer revisões de contrato salvo em casos estritos e necessários;
  • Liberdade contra abusos: é criado o abuso regulatório, situação em que o regulador passa dos limites permitidos pela lei para prejudicar o cidadão, gerando indevidas distorções econômicas;
  • Liberdade de regulação econômica:  nenhuma nova regulação com grande impacto sobre a economia poderá ser editada sem análise de impacto regulatório;
  • Liberdade de regularização societária: as sociedades limitadas unipessoais passarão a ser regularizadas de fato na forma da lei;
  • Liberdade de riscos contratuais: será lícito e sempre respeitado o direito das partes pactuarem a alocação de riscos em decorrência de revisão contratual.

Medida da ‘liberdade econômica’

Esse ato é chamado pelo governo de medida provisória da “liberdade econômica”. A redução da burocracia foi uma das bandeiras da campanha eleitoral do presidente Bolsonaro.

Saiba mais: Venezuela: Bolsonaro convoca reunião de emergência para discutir crise no país 

O então candidato do Partido Social Liberal (PSL) sempre declarou que sua intenção era “tirar o Estado do cangote dos empresários”.

O objetivo do Ministério da Economia é permitir para as pessoas físicas ou jurídicas de desenvolver negócios sem depender de qualquer liberação por parte da administração pública.

Saiba mais: Bolsonaro nega criação de imposto sobre dízimo de igreja 

A medida provisória assinada por Bolsonaro também acaba com restrições de horário de funcionamento. Mas mantém a necessidade de respeitar uma série de outras normas, como os direitos trabalhistas e às regras de condomínios. “O objetivo é deixar que as pessoas possam trabalhar, empreender, gerar emprego e renda”, afirmou Paulo Uebel, que salientou como atividades de baixo risco não precisarão passar pela “mão do Estado”.

Carlo Cauti

Compartilhe sua opinião

Comece 2022 investindo nos melhores Fundos Imobiliários

Baixar agora!