Bolsas asiáticas e europeias caem nesta quinta-feira; Ibovespa seguirá mercado lá fora?

As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em baixa nesta quinta-feira (26), após Wall Street sofrer perdas ontem em meio ao avanço dos juros dos Treasuries e balanços corporativos mistos, mas as chinesas driblaram o mau humor, ainda sustentadas por novas medidas de estímulo fiscal.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/Lead-Magnet-Dkp-1.png

Esse cenário pode ter alguma repercussão nas negociações do Ibovespa hoje, que fechou a sessão de quarta-feira (26) em queda de 0,82%, aos 112.829,97 pontos.

Liderando as perdas nas bolsas asiáticas, o índice Kospi teve queda de 2,71% em Seul hoje, a 2.299,08 pontos, atingindo o menor nível em nove meses, apesar de o PIB da Coreia do Sul ter crescido mais do que o esperado no trimestre até setembro.

Já o índice Nikkei caiu 2,14% em Tóquio, a 30.601,78 pontos, à medida que o rendimento do bônus do governo japonês (JGB) de 10 anos atingiu o maior nível em mais de uma década, acompanhando o movimento dos Treasuries, enquanto o índice Hang Seng recuou 0,24% em Hong Kong, a 17.044,61 pontos, e o índice Taiex registrou baixa de 1,74% em Taiwan, a 16.073,74 pontos.

Ontem, as bolsas de Nova York encerraram o pregão com baixas em torno de 0,30% a 2,4%, pressionadas por novo avanço nos retornos dos Treasuries e por balanços mistos de grandes empresas dos Estados Unidos, em especial do setor de tecnologia.

Na China continental, por outro lado, os mercados acumularam ganhos pelo terceiro dia seguido, ignorando o estresse na região asiática. O índice Xangai Composto subiu 0,48%, a 2.988,30 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 0,45%, a 1.825,39 pontos.

Nesta semana, o legislativo chinês aprovou planos de emitir 1 trilhão de yuans (cerca de US$ 137 bilhões) em bônus soberanos extras, em mais uma tentativa de acelerar a recuperação da segunda maior economia do mundo.

Na Oceania, a bolsa de Sydney fechou hoje em nova mínima em 12 meses, diante da crescente expectativa de que o banco central da Austrália (RBA, pela sigla em inglês) volte a elevar juros. O S&P/ASX 200 caiu 0,61%, a 6.812,30 pontos.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/1420x240.jpg

Bolsas da Europa caem após balanços decepcionantes e de olho em BCE, Treasuries e PIB dos EUA

As bolsas europeias operam em baixa na manhã desta quinta-feira (26), na esteira de uma série de balanços decepcionantes da região e em meio a preocupações com o avanço nos rendimentos dos Treasuries.

Investidores também aguardam decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), que provavelmente deixará seus juros intocados, assim como dados de crescimento e inflação dos Estados Unidos.

Confira os índices perto das 7h45 desta quinta:

  • Londres (FTSE100): -0,59%
  • Frankfurt (DAX): -1,40%
  • Paris (CAC 40): -0,79%
  • Madrid (Ibex 35): -0,95%
  • Europa (Stoxx 600): -0,62%

Da temporada de balanços, o maior destaque negativo é o Standard Chartered, cuja ação tombava mais de 10% em Londres, no horário acima, após o banco britânico apresentar significativa queda nos lucros, com sua exposição ao setor imobiliário da China.

Entre outros pesos-pesados europeus que divulgaram resultados mais cedo, o banco francês BNP Paribas caía quase 4% em Paris, a companhia elétrica espanhola Iberdrola recuava 0,3% em Madri e a montadora alemã Volkswagen tinha perda de cerca de 1% em Frankfurt.

Balanços dos EUA também seguem no radar. A ação da Meta (controladora do Facebook) amarga perdas nos negócios do pré-mercado de Nova York.

Às 9h15 (de Brasília), o BCE anuncia decisão de juros. Segundo analistas, a autoridade monetária da zona do euro deverá deixar suas principais taxas inalteradas, pausando o ciclo de aperto monetário iniciado em julho do ano passado, após recentes dados de atividade econômica (PMIs) reforçarem temores de recessão no bloco e diante do arrefecimento da inflação.

Também nesta manhã, os EUA revelam a primeira leitura do seu Produto Interno Bruto (PIB) e da inflação PCE do terceiro trimestre. Na próxima quarta-feira, dia 1º de novembro, o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) define seus juros básicos.

O comportamento dos Treasuries antes do Fed é igualmente monitorado de perto. Os rendimentos dos papéis de longo prazo voltaram a subir nesta quarta-feira e mantêm leve tendência de alta nesta manhã.

O conflito entre Israel e Hamas também segue no radar das bolsas asiáticas e europeias, que entra em seu vigésimo dia nesta quinta-feira.

Com informações da Dow Jones Newswires e Estadão Conteúdo

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/1420x240-2.png

Giovanni Porfírio Jacomino

Compartilhe sua opinião