Bolsas asiáticas fecham em baixa seguindo NY; Europa sobe após CPI abaixo do esperado

As bolsas asiáticas fecharam em baixa nesta quarta-feira (03), seguindo o comportamento de Wall Street, que teve ontem seu pior desempenho diário em semanas com preocupações em relação à trajetória dos juros básicos nos EUA.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240-Banner-Home-1.png

Esse cenário pode influenciar nas negociações do Ibovespa hoje. Na véspera, o índice fechou em alta de 0,44%, aos 127.548,52 pontos.

O índice japonês Nikkei caiu 0,97% em Tóquio, a 39.451,85 pontos, enquanto o Hang Seng recuou 1,22% em Hong Kong, a 16.725,10 pontos, o sul-coreano Kospi cedeu 1,68% em Seul, a 2.706,97 pontos, e o Taiex perdeu 0,63% em Taiwan, a 20.337,60 pontos, após um grave terremoto atingir a ilha.

Na China continental, o Xangai Composto teve modesta baixa de 0,18%, a 3.069,30 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto recuou 0,66%, a 1.767,96 pontos.

O mau humor na região asiática veio após as bolsas de Nova York sofrerem perdas de até 1% ontem, em seu pior pregão em várias semanas, diante de temores de que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) seja cauteloso e deixe para começar a reduzir juros apenas mais adiante, talvez no segundo semestre.

Com a falta de apetite por risco, pesquisa da S&P Global/Caixin que mostrou o PMI de serviços chinês avançando a 52,7 em março, como previsto, ficou em segundo plano.

Na Oceania, a bolsa australiana ficou igualmente no vermelho, também sob o peso de Wall Street. O S&P/ASX 200 teve queda de 1,34% em Sydney, a 7.782,50 pontos.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240_TEXTO_CTA_A_V10.jpg

Europa sobe após CPI

As bolsas europeias operam majoritariamente em alta nesta manhã, enquanto investidores digerem os últimos dados de inflação da zona do euro, que vieram abaixo do esperado e melhoram as chances de que o Banco Central Europeu (BCE) sinta confiança de reduzir juros nos próximos meses.

Confira o desempenho dos índices por volta das 07h30:

  • Londres (FTSE100): -0,38% a 7.904 pontos
  • Frankfurt (DAX): +0,23% a 18.332 pontos
  • Paris (CAC 40): +0,21% a 8.146 pontos
  • Madrid (Ibex 35): +0,34% a 11.012 pontos
  • Europa (Stoxx 50): +0,17% a 5.062 pontos

A taxa anual de inflação ao consumidor (CPI) da zona do euro desacelerou para 2,4% em março, segundo cálculo preliminar da Eurostat, vindo abaixo da expectativa de analistas, que previam repetição da taxa de 2,6% de fevereiro.

Há várias semanas, dirigentes do BCE vêm repetindo que estão em busca de novos sinais de que a inflação se move “de forma sustentável” para a meta oficial de 2% para considerar a hipótese de cortes de juros. De modo geral, a sinalização é de que a primeira redução de juros poderá vir em junho.

Ainda na zona do euro, a taxa de desemprego ficou inalterada em fevereiro ante o mês anterior, em 6,5%, bem próxima da mínima histórica de 6,4%.

Nas próximas horas, investidores na Europa vão acompanhar dados econômicos dos EUA em meio a preocupações de que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) possa deixar para começar a reduzir seus juros apenas no segundo semestre, fator que ajudou a derrubar as bolsas de Nova York ontem. Vários dirigentes do Fed, incluindo seu presidente, Jerome Powell, falam em eventos ao longo do dia.

*Com Estadão Conteúdo

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Redação Suno Notícias

Compartilhe sua opinião