Banco Inter (BIDI11) leva controle para o exterior

Banco Inter (BIDI11) leva controle para o exterior
Banco Inter (BIDI11). Foto: Divulgação.

O Banco Inter (BIDI11) comunicou ao mercado nessa quarta-feira (5), que Rubens Menin e João Vitor Menin contribuíram as ações que detêm na Inter Holding Financeira para a sociedade sediada no exterior.

Frente a isso, o Banco Inter explica que a sociedade passou a ser controladora da Inter Holding Financeira, e a Holding, por sua vez,  tem o controle societário do Inter através de participação societária direta.

Vale destacar que o banco digital leva seu controle para o exterior devido a reorganização societária no âmbito do grupo controlador.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Vídeo Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Ademais, esse cenário faz com que o acordo de acionistas até então firmado entre Rubens e João Vitor Menin deixe de ser necessário, mas ainda precisa da aprovação do Banco Central (BC) para ser encerrado.


O fato relevante destaca que o acordo não é mais necessário, “uma vez que Rubens Menin, por meio da sua participação direta na Sociedade e de suas participações indiretas na Inter Holding Financeira e no Inter, continua a manter todos os poderes que o habilitam a gerir os negócios das referidas sociedades”.

Veja também:

Banco Inter tem lucro líquido de R$ 22,07 mi no 4T20

O banco digital registrou um lucro líquido de R$ 22,07 milhões no último trimestre do ano passado, contra R$ 24,89 milhões do mesmo trimestre de 2019.

A instituição alcançou 8,5 milhões de correntistas em 2020, o que representa um crescimento de 108% em comparação anual.

O banco ainda destaca que atingiu R$ 1,4 bilhão em receitas totais no ano, crescimento de 33,2% frente a 2019. Além disso, atingiu R$ 540,8 milhões em receitas de serviços em 2020, representando 44,8% das receitas líquidas totais no ano.

Última cotação do BIDI11

As ações do Banco Inter (BIDI11) encerraram o pregão desta quarta-feira  apresentando uma alta 2,34%, cotadas a R$ 219,00. No ano, o papel já acumula alta de 122,45%, frente ao fechamento a R$ 98,45 em dezembro.

Laura Moutinho

Compartilhe sua opinião