AZ Quest deve começar a operar fundo imobiliário ainda este ano

Em mais uma aposta para captar investimentos alternativos, a AZ Quest está em fase final de estruturação de um fundo imobiliário, avaliado em torno de R$ 350 milhões, e que deve começar a operar entre os meses de agosto e setembro, disse Walter Maciel, diretor-presidente da gestora, ao site NeoFeed.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/07/Image_20230704_105729_406-1.png

Desde que entrou nessa área, a AZ Quest já colou dois fundos do agronegócio (Fiagro) e um de infraestrutura (FIP), que somaram R$ 777 milhões e R$ 500 milhões, respectivamente. “A meta é fazer mais R$ 1 bilhão em alternativos até o fim do ano”, disse Maciel.

Segundo a publicação, o fundo imobiliário será cetipado, ou seja, será negociado em balcão e não por meio de cotas no pregão da bolsa de valores. Ele será o primeiro lançamento após a assinatura do contrato de compra de 50%, no fim de junho, da Panorama Capital, especializada em ativos imobiliários.

Em fevereiro, de acordo com o NeoFeed, as companhias assumiram o compromisso de unir suas operações e, com a concretização do acordo, a AZ Quest Panorama começa com R$ 400 milhões sob gestão.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/07/Ebook-Fundos-Imobiliarios-Desktop.jpg

Fundos imobiliários: com IFIX negativo, apenas FIIs de Varejo tiveram ganhos na semana

A semana que passou viu o mercado de fundos imobiliários operar com perdas após várias semanas de alta, em um movimento chamado de correção por alguns analistas do mercado.

IFIX, principal índice de fundos imobiliários na B3, fechou em queda de 0,21% na semana entre os dias 10 e 14 de julho. Ainda assim, o índice apresenta ganhos de 0,91% no acumulado de julho, 11,05% no ano e 14,70% em 12 meses, mostrando o bom momento do setor.

Na última semana, o setor que apresentou melhor desempenho entre os fundos imobiliários foi o de varejo, que registrou ganhos de 1,33%. Segundo o levantamento do ITRIX, os demais setores apresentaram recuo: fundos de tijolo (-0,05%) e escritórios (-0,17%). 

“Esse leve recuo do IFIX já era esperado, pois semanas consecutivas de fortes altas no índice naturalmente reduzem o número de oportunidades claras no mercado, o que leva a um cenário de estabilização de preços em todos os setores”, apontou Leonardo Garcia, analista de fundos imobiliários do Trix.

A exceção do varejo na semana é porque se trata de uma categoria com poucos fundos e, portanto, mais sensível a altas individuais. Na última semana, o Rio Bravo Renda Varejo (RBVA11), fundo com bastante peso no setor, registrou 2,36% de alta, puxando o índice para o azul.

Os dados do ITRIX, índice setorial de fundos imobiliários estruturado pelo Trix, plataforma da TRX Investimentos, têm como base o desempenho de mais de 100 FIIs que fazem parte do IFIX.

Nos últimos 12 meses, os fundos de shopping acumulam ganhos de mais de 30%

No levantamento de desempenho entre julho do ano passado e deste (somando 12 meses), os fundos de shopping são os principais protagonistas entre os setores, com 30,64% de alta, o dobro do IFIX no período.

Todos os setores com fundos de tijolo superaram o índice da B3, com destaque também para os fundos que investem em imóveis para empresas varejistas, que apresentaram, na média, 26,30% de alta no período, seguido de perto por Tijolo (23,70%) e Galpões (21,51%). 

Os fundos imobiliários de recebíveis foram os únicos a não ultrapassar os dois dígitos, fechando o período com 7,53%, mais de 6% abaixo do índice geral.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/02/1420x240-Banner-Home-2-1.png

Giovanni Porfírio Jacomino

Compartilhe sua opinião