Apagão atinge 25 estados do Brasil e Distrito Federal; Aneel investiga causas

Nesta manhã de terça-feira (15), um apagão generalizado atingiu o Distrito Federal e os 25 estados brasileiros, com exceção de Roraima, na Região Norte. A falta de energia foi ocasionada por uma ocorrência de grande porte no Sistema Interligado Nacional, por volta das 8h31, segundo o Operador Nacional do Sistema (ONS) e o Ministério de Minas e Energia (MME).

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/06/Lead-Magnet-1420x240-3.png

O ONS informou que a ocorrência causou uma separação elétrica entre as regiões Norte e Nordeste das regiões Sul e Sudeste, com abertura das interligações.

As regiões Sul e Sudeste ficaram sem energia “para evitar a propagação da ocorrência”, sob uma ação coordenada, afirmou a ONS.

Ministério de Minas e Energia se pronuncia sobre o apagão

Conforme publicado em nota oficial pelo MME, por volta das 9 horas da manhã, a partir de dados do ONS, houve uma “ocorrência na rede de operação do Sistema Interligado Nacional (SIN) interrompeu 16 mil MW de carga em estados do Norte e Nordeste do Brasil, nesta terça-feira (15). Estados do Sudeste também foram afetados.”

Segundo o Ministério, a interrupção ocorreu devido a abertura, às 8h31, da interligação Norte / Sudeste e as causas da ocorrência ainda estão sendo apuradas. A recomposição já foi iniciada em todas as regiões e até às 9h16, 6 mil MW já foram recompostos.

Às 10h51, em atualização à situação de atendimento elétrico brasileiro, o MME comunicou que já houve retomada das cargas afetadas nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. No momento, as equipes atuam para restabelecer as cargas ainda afetadas nas regiões Norte e Nordeste.

Até às 10h22, 27% da carga da região Norte e 68% da região Nordeste já estavam restabelecidos.

O Ministro Alexandre Silveira também determinou a criação de uma sala de situação e lidera todo processo de retomada, bem como determinou a rigorosa apuração das causas do incidente do apagão.

Ainda não há informações sobre a causa do apagão em alguns Estados, diz diretor da Aneel

O diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Sandoval Feitosa, afirmou que ainda não há informações sobre a causa do apagão que afetou as regiões Norte e Nordeste, além de localidades nas demais regiões do País. Feitosa explicou que todas as ocorrências de grande porte no sistema de transmissão têm uma regulamentação para avaliação das causas.

“O sistema de transmissão brasileiro é sofisticado, com diversos agentes de transmissão, distribuição e geração. Um evento dessas proporções precisa ser avaliado com critérios para que possamos depois atribuir alguma causa específica. Nesse momento, não temos nenhuma causa repassada”, afirmou o diretor.

Feitosa reforçou que a prioridade das autoridades e órgãos do setor elétrico é retomar o suprimento de energia elétrica em todas as localidades que foram afetadas pelo apagão ao longo do período da manhã.

Segundo ele, eventual instauração de processos para aplicação de sanções só será analisada após a normalização no Sistema Interligado Nacional (SIN).

De acordo com o ONS, 55% da carga foi retomada na região Norte e 81% no Nordeste. Ao todo, 13,5 mil megawatts (MW) foram recompostos diante dos 16 mil MW afetados pelo apagão desta terça-feira, 15.

“Primeira preocupação que temos em um evento desse é restaurar o serviço e é exatamente isso que, nesse momento, o Ministério está envolvido, o Operador Nacional do Sistema Elétrico, as empresas e a Aneel. Eventuais repercussões, depois que o problema está resolvido, é que nós vamos passar para essa etapa”, afirmou após reunião da diretoria da Aneel.

O MME convocou uma reunião para tratar sobre o tema. Além de diretores e técnicos da agência reguladora, devem participar representantes do ONS e da Empresa de Pesquisa Energética (EPE).

Mais cedo, o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, determinou a criação de um grupo para acompanhar as causas do apagão.

Com Estadão Conteúdo

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Camila Paim

Compartilhe sua opinião