Via (VIIA3) e Magazine Luiza (MGLU3) enfrentam perspectiva desafiadora e são rebaixadas; ações desabam

A recomendação para as ações da Via (VIIA3) e da Magazine Luiza (MGLU3) sofreu uma queda, em relatório atualizado do JPMorgan e publicado nesta sexta-feira (2) pelo InfoMoney. Após a revisão de suas recomendações para o setor de varejo frente à recente recuperação das ações e a perspectiva de uma economia mais forte, os analistas do banco adotaram uma postura cautelosa para ambas as varejistas. A análise do banco fez as ações da Via e do Magalu desabarem no Ibovespa: no fechamento, a primeira lidera quedas, com baixa de 10%, e a outra varejista recuou quase 4,6%.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/07/Lead-Magnet-1420x240-2.png

Conforme publicado, as recomendações das varejistas sofreram alterações:

  • MGLU3 foi reduzida de “overweight” (exposição acima da média, sinal de compra) para “neutra”;
  • VIIA3 foi rebaixada de “neutra” para “underweight” (exposição abaixo da média, sinal de venda).

No entanto, o relatório não apresentou um preço-alvo para as ações dessas empresas.

As projeções atualizadas para Via e Magazine Luiza

Os analistas do JPMorgan identificaram um ambiente desafiador para o segmento de itens duráveis de ticket alto, devido à pressão na renda disponível dos consumidores. Historicamente, a base de clientes da Via e Magalu são a classe média baixa, extrato que mais enfrenta dificuldades econômicas nesse cenário.

Embora os analistas esperem que os esforços das empresas para elevar a rentabilidade e o ambiente de concorrência racional promovam margens melhores, a projeção para o volume bruto de mercadorias (Gross merchandise value – GMV) é de um crescimento morno para MGLU3 e VIIA3 neste ano.

Além disso, o crescimento estimado para MGLU3 é de cerca de 15% e de 5% para VIIA3 em uma base consolidada. Enquanto isso, empresas como Mercado Livre (MELI34) e Amazon (AMZO34) são vistas como as principais beneficiárias da crise enfrentada pela Americanas (AMER3).

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/07/Lead-Magnet-1420x240-1.png

Diante dessas projeções, os analistas reduziram suas estimativas de venda em aproximadamente 10% para MGLU3 e 15% para VIIA3. O resultado aguardado após a revisão, junto com a alavancagem elevada das empresas, é de prejuízos para ambas em 2023, com pressão sobre o fluxo de caixa livre, apesar das expectativas de redução da taxa Selic.

Consequentemente, o JPMorgan rebaixou a recomendação para as ações da Via e Magazine Luiza, retirando o preço-alvo de R$ 3,50 para MGLU3. Os analistas observam que, embora não recomendem exposição ao setor no curto prazo devido ao momento desafiador, eles têm uma preferência relativa por MGLU3 como um veículo potencial para operar com taxas de juros mais baixas no futuro.

Desafios no setor de varejo

Após a reavalição, os analistas Joseph Giordano e equipe do JPMorgan concordaram que o setor de varejo enfrenta desafios significativos. As principais questões são relacionadas à alavancagem e ao contexto econômico atual levaram os analistas a adotar uma visão cautelosa em relação às ações das varejistas.

Os analistas destacam que, apesar de sinais positivos recentes, como a recuperação das ações e a expectativa de juros mais baixos, ainda existem obstáculos ao crescimento do setor.

Mesmo com a expectativa de melhorias nas despesas financeiras com a provável redução da taxa Selic (estimada pela instituição para 12,75% até o final do ano e para 11% em 2024), os analistas do JPMorgan ainda projetam prejuízos para ambas as empresas no curto prazo. A alta alavancagem, medida pela relação dívida líquida ajustada/Ebitda, deve limitar os investimentos (capex) até a virada de ciclo. Estima-se que a Magazine Luiza termine 2023 com uma relação dívida líquida ajustada/Ebitda de cerca de 6 vezes, enquanto a Via enfrentará uma relação de 11 vezes.

Além disso, os analistas ressaltam que as perspectivas econômicas continuam desafiadoras. Embora indicadores macroeconômicos, como o PIB e a inflação, tenham mostrado evolução positiva nos últimos meses, ainda se espera um cenário difícil para as empresas nos principais itens de estoque próprio (1P) de ticket alto e consumidor alavancado. A carga do serviço da dívida aumentou em 5 pontos percentuais para 27% e a renda disponível enxuta, a aceleração do GMV das empresas é limitada.

Previsão de recuperação para Via e Magalu

Enquanto esperava-se que a Americanas (AMER3) tivesse um impacto favorável significativo, o que não se concretizou, Amazon (AMZO34) e Mercado Livre (MELI34) ganharam participação de mercado. Essa dinâmica forçou uma nova interpretação das tendências de mercado pelos analistas e a projetção de estabilidade nas vendas e retomada da expansão somente para o segundo semestre de 2024. “Além disso, o crescimento do GMV no 1T23 para Magalu e Via não refletiu ventos favoráveis em magnitude comparável à participação de mercado da Americanas,” reforça o relatório.

Apesar dos desafios, os analistas do JPMorgan destacam a importância da melhoria da margem Ebitda para Magazine Luiza e Via. Espera-se uma recuperação modesta das margens em 2023, impulsionada por ganhos de margem, maior monetização do marketplace e esforços de precificação mais robustos.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/Ebook-Acoes-Desktop-1.jpg

Camila Paim

Compartilhe sua opinião

Receba atualizações diárias sobre o mercado diretamente no seu celular

WhatsApp Suno