Tim (TIMS3): orientação para 2024 está alinhada com estimativas de analistas; confira

A orientação de resultados para 2024 e para o triênio 2024-2026 fornecidas pela Tim (TIMS3) na quarta-feira (6), junto ao seu balanço de resultados do quarto trimestre de 2023, está alinhada com as projeções de algumas casas, segundo relatórios.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240-Banner-Home-1.png

No período, a Tim reportou lucro líquido normalizado de R$ 900 milhões, uma alta de 52,6% ante o mesmo intervalo do ano anterior. No consolidado de 2023, o lucro subiu 50,4% ante 2022, para R$ 2,69 bilhões, segundo comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) nesta terça-feira (6).

Ebitda da TIM (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) normalizado, teve um avanço anual de 7,5% no quarto trimestre, a R$ 3,15 bilhões. 

“A Tim reportou resultados em linha, com um bom desempenho do pós-pago, mas com margens ajustadas um pouco abaixo das nossas expectativas. Estimamos melhoria de margem para 2024 e maior crescimento no médio prazo”, pontuaram os analistas Gabriel Pucci, Silvio Dória e Carolina Carneiro, do Safra, em relatório.

Ainda de acordo com o banco, a receita líquida da Tim, de R$ 6,3 bilhões no quarto trimestre, ficou em linha com suas estimativas e foi impulsionada por um crescimento ainda forte na receita de serviços móveis.

No geral, o Safra afirmou que a orientação da Tim para 2024 ficou em linha com as suas projeções e acima de suas estimativas para o médio mandato (2023-2026). “Vemos a orientação como positiva, pois implica uma expansão da margem Ebitda e um intervalo de crescimento ligeiramente superior para o período 2024-26 do que temos nos nossos números”.

O Safra tem recomendação ‘outperform’, equivalente a compra, para as ações da Tim, com preço-alvo a R$ 21,50.

Tim: receitas devem continuar crescendo, mas em ritmo mais lento, diz BTG

Em relatório, os analistas Carlos Sequeira, Osni Carfi e Guilherme Gutilla, do BTG Pactual (BPAC11), pontuaram que a orientação fornecida pela Tim para 2024 também está em grande parte alinhada com as estimativas do banco, com destaque para a previsão de Ebitda.

Para o BTG, a estimativa de crescimento do Ebitda da Tim em 2024 é de 5,9%, um pouco abaixo do guidance fornecido pela empresa, que é de aumento de 7% a 9%.

Já em relação à orientação para o triênio 2024-2026 da Tim, o BTG estima um crescimento de 4,6% das receitas, quase alinhado com a projeção da empresa (entre 5% e 6%), enquanto o Ebitda está um pouco abaixo (4,6% de acordo com o BTG e 6%-8% segundo a Tim).

“Prevemos que as margens Ebitda permanecerão estáveis durante os próximos anos, enquanto a Tim estima que as margens aumentem um pouco”, dizem os analistas.

De um modo geral, para o banco, as receitas da Tim devem continuar crescendo acima da inflação nos próximos anos, mas em ritmo mais lento do que o observado em 2023.

“O Ebitda superando nossas estimativas foi um ponto positivo, mas nossa geração de caixa está em linha com as estimativas da empresa, levando-nos a acreditar que o guidance de dividendos (a ser divulgado em 7 de março) não deve ser significativamente superior ao que temos atualmente no modelo (yield de 7,4% para 2024, 8,5% para 2025 e 9,6% para 2026)”, completam.

O BTG tem recomendação de ‘compra’ para as ações de Tim, com preço-alvo a R$ 20,00.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240_TEXTO_CTA_A_V10.jpg

Desempenho das ações de Tim

Cotação TIMS3

Gráfico gerado em: 07/02/2024
5 Dias

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Giovanni Porfírio Jacomino

Compartilhe sua opinião