Patrocinado por:

StarApp: empresa que desenvolve apps mira mercado doméstico e acerta no internacional

StarApp: empresa que desenvolve apps mira mercado doméstico e acerta no internacional
Logo da StarApp

A startup de desenvolvimento de softwares e plataformas StarApp Sistemas quer dominar o mercado de beleza do Brasil. Com mais de 1 milhão de usuários ativos e 4 mil estabelecimentos nacionais e internacionais, a empresa plantou uma sementinha no segmento de beleza e foi longe.

Às vezes, timing é tudo. Rafael e Luiz Felipe Paim de Carvalho, CEO e CTO, respectivamente, são irmãos e criaram juntos a StarApp em 2015, após Luiz Felipe apresentar seu Trabalho de Conclusão de Curso na faculdade. Rafael já possuía mais de 15 anos de experiência na área de tecnologia e queria empreender, com a intenção em focar no mobile.

Logo após o CTO se formar, os irmãos decidiram fundar a startup e já colocá-la para operar. Pouco tempo depois, surgiu o primeiro produto do empreendimento: o AppBeleza, um sistema de gestão e agendamento online na área da beleza feminina, que inclui salões, clínicas de estética, esmaltarias, SPAs, entre outros.

O app começou a aumentar o faturamento. Estabelecimentos que utilizam o serviço da StarApp passaram a enviar feedbacks. Novamente, a startup foi beneficiada com a oportunidade de entrar no mercado na hora certa: a onda de barbearias pelo país, principalmente em São Paulo, começou a se espalhar entre o final de 2015 e 2016. Os empreendedores abraçaram o momento.

Rafael conta, em entrevista exclusiva ao Suno Notícias, que alguns salões de beleza queriam manter a gestão desenvolvida pela StarApp, mas mudando completamente seu plano de negócios com essa nova onda, ao focar majoritariamente no público masculino. Ao mapear o mercado e sentir que valeria a pena, os sócios decidiram criar outro aplicativo semelhante ao AppBeleza, o AppBarber. O app tem essencialmente com as mesmas funcionalidades e serviços para os clientes, com diferenças no design entre um aplicativo e outro.

“Faiza sentido na época, entre 2015 e 2016, já que as barbearias recém abertas tinham uma pegada mais inovadora. Isso foi um acerto no alvo. Pegamos um timing legal. [Inicialmente] muito em São Paulo e agora em todos os estados brasileiros”, afirmou o CEO.

StarApp: AppBeleza
StarApp: AppBeleza. Créditos: Divulgação

StarApp: Benefícios para os negócios

O CEO ressalta que a intenção dos aplicativos é trazer um benefício real para os estabelecimentos, assim como para os clientes. “Trazem aumento do movimento e, por consequência, alta do faturamento”, disse.

De acordo com os dados da startup, os cases de sucesso de ambos os aplicativos mostram que há um aumento de até 40% no movimento e faturamento dos estabelecimentos após a implantação do sistema. Alguns negócios demoram pouco tempo, cinco meses ou menos, e outros podem levar até um ano para alcançar o crescimento.

O benefício para as empresas vem a partir da disponibilização do agendamento de serviços, gestão financeira, controle de estoque, produtos, gestão de notas fiscais, pagamentos e compras, em uma ferramenta completa, totalmente online.

Para os clientes, é possível realizar uma “gestão própria”, com avisos sobre manutenção, produtos e agendamentos, além de lembretes. A movimentação aumenta junto com o ticket médio gasto no estabelecimento. Com avisos regulares sobre os serviços prestados — por exemplo, antes o cliente cortava o cabelo uma vez por mês, mas agora prefere ir duas ou três com os lembretes do aplicativo –, o cliente frequenta mais.

Mais: a monetização da StarApp em relação aos dois aplicativos vem a partir de planos de assinatura, como se fosse “plano de academia”, destaca Rafael. Há três opções: mensal, trimestral e anual, por quatro faixas de preço por profissional no estabelecimento (apenas 1, de 2 a 5, 6 a 15 e mais de 15).

“Então, ele [o dono do estabelecimento] paga R$ 60/mês, mas o ganho real que ele consegue com o aplicativo são três, quatro vezes mais, às vezes 10 vezes mais o valor, dependendo do movimento aumentado”, apontou o CEO.

Um dos diferenciais da época de criação e desenvolvimento da StarApp era a autonomia do cliente marcar o próprio horário de forma rápida e prática pelo app, podendo ver os horários, escolher quem vai atender e até deixar pago.

Internacionalização

A StarApp Sistemas trabalha em um modelo de negócios B2B disponíveis em todo o território nacional, mas também em Portugal, nos Estados Unidos, no Reino Unido e Japão.

Rafael Paim de Carvalho conta que a internacionalização “caiu de paraquedas” na StarApp – em 2017, após um nativo de Portugal achar os produtos e querer implementar no seu negócio. A situação veio organicamente. Não havia nenhum tipo de campanha de marketing para mercados internacionais. Para o cliente da empresa, a dificuldade era a linguagem dos apps, que eram apenas em português do Brasil.

O AppBeleza e o AppBarber foram então adequados para o português de Portugal, assim como para inglês e espanhol. Também foram feitos ajustes em moedas e métodos de pagamento. Além disso, o CEO lembra que antecipou juridicamente os ajustes de LGPD, uma vez que já havia a lei de segurança de dados na Europa.

“Hoje são mais de 60 estabelecimentos fora do Brasil, mais de 40 em Portugal”, disse. Ele afirma que o negócio internacional decolou via indicações. Alguns brasileiros que foram morar em Portugal e o utilizam na Europa. No Japão, são brasileiros que atendem outros brasileiros no país, e por aí vai. “Tem muito mercado, mas ainda não há braço para dar esse passo adiante. É preciso internacionalizar com planejamento”, afirmou Rafael.

A startup busca investimentos de venture capital para acelerar a empresa e focar em planos de expansão, já que demanda muito recurso. O único investimento da StarApp durante todos seus sete anos de empresa foi um pre-seed, logo no começo do negócio.

Uma aceleração também ajudaria a StarApp a adicionar mais serviços da Amazon Web Services na empresa. No início, em 2015, a startup utilizava outro fornecedor de nuvem e tiveram problemas. Assim, há seis anos, decidiram migrar para a AWS e conseguiram mais soluções concretas.

Os sócios já possuíam conhecimento da AWS, por já estarem no ramo da tecnologia há muito tempo. Foi assim uma escolha simples, que colaborou com a facilidades e flexibilidade para o desenvolvimento e otimização da startup. De acordo com o CEO, o casamento entre a AWS e a StarApp é prospero e duradouro.

Victória Anhesini

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO