Semana do Fiagro

Lojistas de shoppings querem redução de horário com avanço de casos de Covid-19 e gripe

Lojistas de shoppings querem redução de horário com avanço de casos de Covid-19 e gripe
Shopping. Foto: Pixabay

A Ablos, Associação Brasileira dos Lojistas Satélites, que tem mais de 100 membros, vai levar um pedido aos shoppings para que os administradores reduzam o horário de abertura por algumas semanas. As informações são da coluna Painel S.A., da Folha de São Paulo.

A justificativa para o pedido dos lojistas é a redução da equipe de funcionários devido aos pedidos de dispensa médica com o aumento dos casos de gripe e Covid-19. Algumas lojas de shoppings já relatam não ter funcionários o suficiente para atender os clientes.

Com o menor tempo de funcionamento, os lojistas esperam encurtar o atendimento para apenas um turno, de modo que é possível lidar melhor com a ausência de parte da equipe.

A coluna ainda informa que a solicitação da Ablos não inclui pedido de redução do aluguel, o objetivo principal é a redução do horário de atendimento dos shoppings apenas.

Shoppings, voos e mais comércios afetados

A recente escalada de Covid-19 e gripe já atinge a operação de vários setores do comércio.

Na aviação, a Azul (AZUL4), Gol (GOLL4) e Latam anunciaram dificuldades de operação após o aumento de casos de tripulantes afastados por dispensa médica na semana passada.

No sábado, a Latam anunciou o cancelamento de 47 voos domésticos e internacionais previstos até 16 de janeiro, o que representa 1% dos voos programados para o mês. Já a Azul já teve 29 voos cancelados.

Em nota, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) afirmou estar monitorando casos de doenças respiratórias em tripulações das companhias aéreas e que vai atuar para minimizar o impacto aos voos.

Também sofrem os bares e restaurantes, que lotaram com o período de festas do final do ano e continuam cheios com muitas pessoas aproveitando as férias.

Em cidades de forte turismo como o Rio de Janeiro, que registrou aumento de casos de Covid-19 neste início de ano, as equipes dos bares e restaurantes ficaram de 20% a 30% menores em razão de afastamentos médicos, por precaução ou confirmação da doença.

O mesmo é observado no caso dos shoppings e de outras atividades comerciais. Segundo levantamento feito pela revista VEJA, baseado em dados divulgados pelo Ministério da Saúde, o Brasil apresentou uma média móvel de 32.954 casos de Covid-19 no último domingo (09). O índice é 798,4% mais alto do que o registrado há duas semanas.

Monique Lima

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO