AGENDA

Mercado de seguros fatura R$ 10 bi em fevereiro, aponta IRB Brasil (IRBR3)

Mercado de seguros fatura R$ 10 bi em fevereiro, aponta IRB Brasil (IRBR3)
Seguros. Foto: Pixabay

O mercado de seguros registrou faturamento de R$ 10 bilhões em fevereiro, 13,1% superior em comparação com o mesmo período do ano passado, segundo dados do Boletim IRB+Mercado, relatório realizado pelo IRB Brasil (IRBR3) com base em informações da Superintendência de Seguros Privados (Susep).

A nova alta aponta para uma continuidade no ritmo de crescimento do setor de seguro,  o que ocorre há oito meses consecutivos e representa a segunda maior taxa para o mês de fevereiro desde 2015.

No total, mais de 70% dos grupos seguradores tiveram crescimento. Já no acumulado do ano até fevereiro de 2021, o segmento evoluiu 11,3%, somando R$ 21,1 bilhões.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Vídeo Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

De acordo com o levantamento do IRB Brasil, a linha de Vida, a qual detém 36% do arrecadado e com aumento constante desde julho de 2020, faturou R$ 3,8 bilhões no segundo mês de 2021, uma variação positiva de 6,8% no comparativo com fevereiro do ano passado. O resultado foi atribuído ao desempenho, principalmente, dos produtos:

  • Vida Individual (21,9%);
  • Vida em Grupo (8,2%);
  • Acidentes Pessoais – Coletivo (9,9%);
  • Prestamista – Coletivo (2,8%).

Já o seguro Auto voltou a subir, 6%, contabilizando R$ 2,7 bilhões. Em paralelo, a redução das despesas com sinistros ocorridos contribuiu para os resultados das seguradoras que atuam com o produto. O movimento pode ser observado pela melhora da taxa de sinistralidade de 64,3% para 59,4% no comparativo do acumulado do ano até fevereiro de 2020 contra 2021, respectivamente.

Seguro Corporativo cresce 27,9% em fevereiro

O terceiro destaque de fevereiro ficou com o seguro Corporativo de Danos e Responsabilidades (sem Rural, Crédito e Garantia), o qual faturou R$ 1,9 bilhões, alta de 27,9%. A modalidade teve influência dos produtos Lucros Cessantes (340%) e Petróleo (164,5%).

No mesmo segmento, o faturamento da linha de Riscos Cibernéticos avançou 284,6%, reflexo da entrada em vigor da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e do aumento do trabalho remoto.

Por sua vez, os seguros Individual Contra Danos e Rural totalizaram, separadamente, R$ 903 milhões e R$ 465 milhões, altas de 17,8% e 55,1%. O segmento Crédito e Garantia teve R$ 326 milhões de prêmio emitido, o que representa crescimento de 21,3%.

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião