Segundo semestre será de desaceleração global, apontam indicadores da FGV

Segundo semestre será de desaceleração global, apontam indicadores da FGV
Antes da divulgação do Monitor do PIB, o Ministério da Economia divulgou documento que manteve previsão do crescimento para 2021 - Foto: Divulgação/FGV

Os Barômetros Econômicos Globais de setembro do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da Fundação Getúlio Vargas, a FGV, permanecem com a tendência de queda observada desde julho. Indicam que o segundo semestre será de desaceleração global.

Os indicadores foram divulgados nesta sexta-feira (10). Apesar de manterem os níveis elevados, ainda são compatíveis com a retomada da economia mundial. Os barômetros econômicos são um sistema de indicadores que permite uma análise do desenvolvimento econômico global e foram lançados em março de 2020 pela FGV.

Enquanto o Barômetro Coincidente reflete o estado atual da atividade econômica, o Barômetro Antecedente emite um sinal cíclico cerca de seis meses à frente dos desenvolvimentos econômicos reais.

Esses indicadores se baseiam nos resultados de pesquisas de tendências econômicas realizadas em mais de 50 países. A intenção é ter a cobertura global mais ampla possível.

A desaceleração do Barômetro Econômico Global Coincidente foi de 6,3 pontos, ficando em 111,8 pontos em setembro. O Barômetro Econômico Global Antecedente diminuiu 7,2 pontos no mês, para 105,1 pontos.

Todas as regiões pesquisadas pelo Ibre tiveram quedas em setembro, sendo mais acentuada na região que engloba Ásia, Pacífico e África no indicador Coincidente, e Europa no indicador Antecedente.

De acordo com o pesquisador da FGV Paulo Picchetti, a retomada do nível de atividade, na comparação com o período mais severo da pandemia de covid-19, segue com o avanço da imunização e do relaxamento das restrições de mobilidade. Mas alguns problemas persistem.

“Essa retomada vem ocorrendo em meio à persistência de problemas relacionados às cadeias de suprimentos de diversas matérias primas, transformando parte do aumento da demanda em elevação de preços ao longo de todas as regiões e setores.

As desacelerações observadas nos barômetros Coincidente e Antecedente refletem as questões ligadas a essas restrições de oferta, e às alternativas de política econômica para lidar com aumentos generalizados de preços”.

Maior contribuição foi da indústria, diz FGV

Por região, a desaceleração no indicador Coincidente foi puxada pela Ásia, Pacífico e África, que contribuiu com 3,9 pontos na queda. Europa deu uma contribuição negativa de 1,3 ponto e Hemisfério Ocidental de 1,1 ponto.

Segundo o instituto, todas as regiões ainda registram indicadores acima do nível médio histórico de 100 pontos.

Os cinco setores monitorados caíram em setembro. O indicador Economia teve o maior peso, com queda de 8,9 pontos, seguido da Indústria (-3,1 pontos) e do Comércio (-11,7 pontos). O indicador do Setor de Serviços caiu pela terceira vez consecutiva, agora em menor ritmo, de 6 pontos.

No Barômetro Global Antecedente, as três regiões contribuíram de forma negativa, com  Europa contribuindo com 3,6 pontos, seguida da Ásia, Pacífico e África (-2,3 pontos) e Hemisfério Ocidental (-1,2 ponto).

A Europa passou de região mais otimista para a primeira região em neutralidade, com 99,9 pontos em setembro. As demais regiões se mantêm acima dos 100 pontos.

As maiores contribuições negativas entre os setores foram da Indústria (-5,5) e da Economia (-10,1), sendo que este setor chegou a 94,6 pontos, o único abaixo de 100. Construção, Serviços e Comércio continuam registrando níveis que refletem otimismo no curto prazo, segundo o levantamento da FGV.

Com informações da Agência Brasil

Eduardo Vargas

Compartilhe sua opinião

Comece 2022 investindo nos melhores Fundos Imobiliários

Baixar agora!