Semana do ESG

Santander (SANB11) pagará JCP bilionário aos acionistas; veja valor por ação

Santander (SANB11) pagará JCP bilionário aos acionistas; veja valor por ação
]Santander (SANB11): troca no comando. Foto: Divulgação

O Santander (SANB11) anunciou nesta sexta-feira (5) que vai pagar R$ 1,7 bilhão em Juros Sobre Capital Próprio (JCP) aos seus acionistas.

O valor dos proventos por ação será dividido da seguinte forma:

Todos serão pagos em a partir do dia 6 de setembro.

Apenas os investidores com ações do Santander no dia 12 de agosto terão direito de receber os rendimentos. A partir do dia 15 de agosto, as ações serão negociadas sem direito aos dividendos.

Segundo documento arquivado na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), esses proventos fazem parte dos dividendos obrigatórios do exercício de 2022.

O valor dos JCP terá retenção do imposto de renda na fonte, com alíquota de 15%.

JCP do Santander

  • Valor total: R$ 1,7 bilhão
  • Valor por ação: R$ 0,91453906736 no total
  • Data de corte: 12 de agosto
  • Data do pagamento: a partir de 6 de setembro
  • Rendimento (dividend yield): 7,30%

Leia mais

Santander (SANB11) tem lucro de R$ 4,084 bi no 2T22, queda de 2,1%

Santander Brasil (SANB11) teve lucro líquido gerencial (que desconsidera o ágio de aquisições) de R$ 4,084 bilhões no segundo trimestre de 2022, uma queda de 2,1% em relação ao mesmo período de 2021. Na comparação com o primeiro trimestre deste ano, no entanto, o banco elevou seu lucro em 2%.

resultado do Santander no 2t22  foi sustentado pelo crédito e pelas receitas de serviços, que cresceram tanto no comparativo trimestral quanto no anual, e pelo controle de despesas. Por outro lado, o banco teve de ampliar em 72% as provisões contra a inadimplência, em um reflexo da piora das condições macroeconômicas e do maior risco da carteira, o que resultou em queda no lucro.

Segundo o balanço do Santander, a margem com clientes teve um salto de 24,5% em um ano, para R$ 14,288 bilhões. Este crescimento veio tanto do maior volume de crédito do banco quanto do mix mais rentável. Ao mesmo tempo, a instituição reprecificou a carteira de crédito diante da alta dos juros, o que impulsionou também o spread (diferença entre custo de captação e os juros cobrados dos clientes), que saiu de 10,2% um ano antes para 11,5%.

A margem financeira bruta do Santander, que reflete o resultado do banco com operações que rendem juros, foi de R$ 12,775 bilhões no trimestre, baixa de 4,8% em termos anuais, e de 8,3% em termos trimestrais.

O desempenho foi puxado para baixo pelo resultado da tesouraria do banco, com perda de R$ 1,513 bilhão no trimestre. No mesmo intervalo de 2021, a tesouraria do Santander teve ganho de R$ 1,951 bilhão. O banco tem sensibilidade negativa à alta dos juros, o que no primeiro trimestre já havia levado a uma queda de 97% no indicador.

“Nossa atuação nos possibilitou atingirmos um lucro líquido de R$ 4,084 bilhões no período, com níveis de capital e liquidez em patamares confortáveis”, afirmou o CFO do banco, Angel Santodomingo.

Santander Brasil encerrou junho com R$ 986,589 bilhões em ativos, alta de 4,9% em um ano, e de 2,8% em três meses. O banco comenta que o ativo aumentou na comparação com março diante do crescimento das aplicações interfinanceiras de liquidez, da carteira de crédito e também da carteira de câmbio.

Cotação

No pregão de hoje, a cotação das ações do Santander subiu 1,92%, cotada a R$ 29,23. No ano, o papel acumula baixa de 4,91%.

Victória Anhesini

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO