Rede D’Or: demanda supera em três vezes a oferta em IPO, diz jornal

Rede D’Or: demanda supera em três vezes a oferta em IPO, diz jornal
O IPO da Rede D'Or está previsto para acontecer no próximo dia 10 de dezembro

A Rede D’Or já possui uma demanda superior em mais de três vezes a sua oferta inicial de ações (IPO), segundo as informações publicadas na madrugada desta terça-feira (1), pelo jornal “O Estado de S.Paulo”. A controladora dos hospitais São Luiz ainda está no período de reserva de ações que permanece até a próxima sexta-feira (4).

De acordo com o jornal, o interesse dos investidores pelo IPO da Rede D’Or é equivalente a um pouco mais de R$ 40 bilhões, só os estrangeiros já somam metade da demanda. Além disso, a Eleven Financial recomendou aos seus clientes a participação na oferta e estabeleceu um preço-alvo de R$ 81 por papel, muito maior do que a faixa indicativa de preço que está entre R$ 48,91 e R$ 64,35.

A precificação acontecerá no dia 8 deste mês e a estreia na Bolsa de Valores de São Paulo (B3) está marcado para o dia 10.

Com o meio da faixa indicativa, de R$ 56,63, e considerando a oferta base de ações de 145.677.487 ações ordinárias a empresa pode levantar R$ 8,249 bilhões. Não obstante, quando consideramos a possibilidade de negociações dos lotes adicional, de até 20%, ou 29.135.497 ações; e suplementar de até 15%, ou 21.851.623; ainda de acordo com o meio da faixa indicativa, a oferta total subiria para R$ 11,137 bilhões.

Mais sobre o IPO da Rede D’Or

O valor mínimo para entrar no IPO é de R$ 3 mil, sendo que o máximo é de R$ 1 milhão. Os papéis ordinários serão negociados sob o ticker “RDOR3”.

A oferta, coordenada por Bank of America; BTG Pactual (BPAC11, o Agente Estabilizador); J.P. Morgan; Bradesco BBI; XP; BB Investimentos; Citi; Credit Suisse; Safra; Santander (SANB11); será primária e secundária.

A Rede D’Or pretende destinar os recursos para a construção de novos hospitais, expansão das unidades existentes por meio de projetos greenfield e brownfield e aquisição de novos ativos (hospitais, clínicas oncológicas, corretoras de seguros de saúde, dentre outros)

Poliana Santos

Compartilhe sua opinião