Monitor do PIB aponta alta de 1,5% no primeiro trimestre, diz FGV

Monitor do PIB aponta alta de 1,5% no primeiro trimestre, diz FGV
PIB : O crescimento foi impulsionado por um aumento de 7,9% nos gastos do consumidor e um aumento de 9,5% no investimento privado Foto: Pixabay

O monitor do PIB registrou um crescimento de 1,5% no primeiro trimestre deste ano em comparação com o quarto trimestre do ano passado e crescimento de 1,8% em relação a fevereiro. O índice medido pela Fundação Getulio Vargas registrou expansão de 2,4% no primeiro trimestre de 2022, na comparação anual. O avanço deve ser visto como uma normalização da atividade econômica quando comparada ao nível pré-pandemia, observa Claudio Considera, coordenador do Núcleo de Contas Nacionais do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV). Considera afirma, também, que um crescimento sustentado do PIB brasileiro ainda é um desafio.

“É muito mais uma volta ao período pré-pandemia. Ninguém fica muito feliz de saber que, depois de dois anos ganhando menos por causa de uma pandemia, voltou a ganhar o que ganhava antes. Todo mundo quer receber mais”, avaliou Considera. “Não é de hoje que o Brasil está andando de lado. Faz tempo que estamos com 1% de crescimento. Não dá para comemorar crescimento de 1% como se fosse um grande milagre. Crescer 1% é muito ruim, isso precisa ficar claro”, completou.

O Monitor do PIB antecipa a tendência do principal índice da economia a partir das mesmas fontes de dados e metodologia empregadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável pelo cálculo oficial das Contas Nacionais. O IBGE divulgará os resultados oficiais sobre o desempenho do PIB no primeiro trimestre de 2022 no próximo dia 2 de junho.

O indicador da FGV estima que o PIB brasileiro teve uma alta de 1,8% em março ante fevereiro. Na comparação com março de 2021, a atividade econômica teve expansão de 4,2% em março de 2022.

O setor de serviços foi destaque no desempenho positivo deste início de ano, por ter sido mais impactado no início da crise sanitária, o que abriu espaço para “crescer e recuperar o nível de atividade que possuía antes da chegada da pandemia”, afirmou Juliana Trece, coordenadora do Monitor do PIB – FGV, em nota oficial.

“Nota-se que o desempenho do PIB ainda tem sido impulsionado pela normalização do nível de atividade pré-pandemia e este efeito está se esgotando, o que liga um alerta para a sustentabilidade do crescimento.” alertou Trece, na nota.

Claudio Considera acredita que as liberações de recursos pelo governo, como o pagamento do Auxílio Brasil, o saque extraordinário do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e a antecipação do 13º salário a pensionistas e aposentados do INSS, podem ajudar a melhorar o desempenho do PIB do segundo trimestre de 2022, mas não se sabe se o movimento terá fôlego para permanecer nos próximos meses.

“Quando você antecipa o 13º salário, falta dinheiro em circulação lá na frente”, exemplificou Considera. “Como temos a inflação em alta, então ainda não se sabe o que vai acontecer com o consumo das famílias”, lembrou.

Considera ressaltou que economistas do mercado financeiro têm revisado para cima suas projeções para o PIB deste ano, mas reduzido as estimativas de crescimento para 2023.

“Se o PIB cresce mais agora, cria um efeito base de comparação mais elevada. O PIB teria que crescer mais no ano que vem”, explicou o coordenador do Ibre/FGV.

Pela ótica da oferta, o PIB da agropecuária subiu 1,7% na passagem do quarto trimestre de 2021 para o primeiro trimestre de 2022, enquanto o da indústria avançou 0,5%. O PIB dos serviços cresceu 0,8%.

Pelo lado da demanda, o consumo das famílias avançou 1,5% no primeiro trimestre de 2022 ante o quarto trimestre de 2021, mas o consumo do governo encolheu 0,8%. A Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF, medida dos investimentos no PIB) subiu 2,8%. As exportações aumentaram 6,0%, e as importações tiveram elevação de 1,0%.

No primeiro trimestre de 2022 ante o mesmo período de 2021, pelo lado da oferta, a agropecuária caiu 2,1%, e a indústria encolheu 1,0%. Os serviços cresceram 3,3%.

Sob a ótica da demanda, o consumo das famílias teve elevação de 3,4% no primeiro trimestre deste ano ante o mesmo intervalo do ano passado, sustentado pelo componente de serviços, apontam as estimativas da FGV. O consumo do governo avançou 2,0%. A Formação Bruta de Capital Fixo cresceu 1,5% no período. As exportações aumentaram 9,6%, e as importações tiveram retração de 1,8%.

Em termos monetários, o PIB alcançou aproximadamente R$ 2,458 trilhões no primeiro trimestre de 2022, em valores correntes. A taxa de investimento da economia foi de 18,4% no primeiro trimestre de 2022.

Com informações do Estadão Conteúdo

Ana Carolina Cury

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO