Pão de Açúcar (PCAR3) vende sua sede em SP por R$ 218 milhões

O Pão de Açúcar (PCAR3) divulgou que vendeu a sua sede, em São Paulo (SP), para a gestora do fundo imobiliário Tellus Properties (TEPP11).

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/07/Lead-Magnet-1420x240-2.png

A sede do Pão de Açúcar fica localizada na Avenida Brigadeiro Luís Antônio, na região dos Jardins.

O fato relevante do fundo mostra que ele pagou R$ 109 milhões, sendo R$ 14,5 milhões já desembolsados e o remanescente a ser pago em até 24 meses.

“Desta forma, a partir do presente momento o fundo passará a receber o aluguel relativo ao imóvel. Com a operação, estimamos um incremento na receita imobiliária do fundo de R$ 0,19 por cota”, diz o comunicado.

A operação será um sale and leaseback – ou seja, após a venda, imediatamente o Pão de Açúcar passa a ser inquilino no imóvel, com um contrato de 15 anos.

O fundo vai receber um aluguel mensal de R$ 812 mil, representando um cap rate de 8,9%.

O imóvel tem uma área bruta locável (ABL) de 11,2 mil metros quadrados que contempla um estacionamento com 175 vagas.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/07/Lead-Magnet-1420x240-1.png

Segundo contrato do Pão de Açúcar

Além da venda da sede do Pão de Açúcar, a varejista firmou um outro contrato – também de R$ 109 milhões – para a venda da área anexa à torre administrativa, comprada pelo empresário Frederico von Ihering Azevedo, presidente do grupo GVI.

No terreno o objetivo da GVI é construir prédios residenciais de alto padrão, cujo projeto será desenvolvido pelo arquiteto Felipe Aflalo, responsável por diversos projetos arquitetônicos modernos de São Paulo, inclusive algumas torres de grandes empresas, como a própria sede do GPA.

A ligação do grupo GVI com o grupo Pão de Açúcar é de longa data, já que há 30 anos a empresa foi responsável pela construção de uma das primeiras lojas na zona lesta de São Paulo.

No caso do GPA, a operação faz parte do plano de redução do endividamento do grupo, iniciado em 2023, “contribuindo para a redução da dívida líquida e reforço da sua estrutura de capital”, diz a companhia em seu comunicado.

Nesse sentido, o foco do grupo continua sendo sua desalavancagem.

Ainda no fim de 2023, em transações feitas nesse plano, o Pão de Açúcar já havia gerado cerca de R$ 1,4 bilhão em dinheiro novo.

Essa nova venda por parte da varejista a coloca mais perto de terminar o plano de redução do endividamento através da venda de ativos.

O que falta agora são negociações que envolvem 70 postos de combustível que operam hoje nas lojas do Extra, que foram anteriormente vendidas pelo Pão de Açúcar ao Assaí (ASAI3).

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Eduardo Vargas

Compartilhe sua opinião

Receba atualizações diárias sobre o mercado diretamente no seu celular

WhatsApp Suno