Oi (OIBR3) registra crescimento de 132% na receita de soluções de T.I

Oi (OIBR3) registra crescimento de 132% na receita de soluções de T.I
Nova AGC da Oi deve acontecer no dia 8 de setembro e deve ser presencial

A Oi (OIBR3) apresentou um crescimento de 132% na receita de soluções de tecnologia da informação na área de segurança, durante dois meses do período de pandemia de coronavírus (Covid-19) no Brasil. A alta foi registradas nos meses de abril e maio em relação a media dos três primeiros meses deste ano (período pré-covid). As informações são do jornal “O Estado de S. Paulo” e foram publicadas nesta terça-feira (14).

A head da Oi Soluções, Adriana Viali, afirmou que o motivo para o crescimento do setor de soluções de segurança da companhia foi que muitas empresas precisaram automatizar suas ferramentas de atendimento e vendas durante a pandemia. Com isso, a demanda por esse tipo de serviço aumentou, já que houve uma necessidade de fornecer a mesma proteção do ambiente corporativo no modelo de trabalho remoto.

A Oi lançou o Smart Office 4.0 no início da pandemia de coronavírus. O serviço consiste em uma nova versão do pacote de aplicativos de colaboração, conectividade e computação digital para colaboradores de companhias que trabalham em home office.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

O lançamento desse serviço da Oi foi uma estratégia para estimular as vendas da ferramenta em um momento em que o trabalho remoto ficou em alta no Brasil por conta da pandemia.

A Oi pretende seguir investindo em seus serviços de T.I no futuro. A companhia já conseguiu aumentar a receita de conectividade de dados da “Oi Soluções” junto a empresas, neste intervalo, em 27%.

Acionista majoritário da Oi diminui participação na empresa

Em meados de junho, a Oi informou que seu acionista majoritário, a Goldentree Asset Management, diminuiu sua participação na companhia. Segundo o comunicado ao mercado da tele, a fatia da gestora passou de 9,79% para 4,68%.

Juliano Passaro

Compartilhe sua opinião