AGENDA

Oi (OIBR3) aceita proposta do BTG para ativos da InfraCo por R$ 20 bilhões

Oi (OIBR3) aceita proposta do BTG para ativos da InfraCo por R$ 20 bilhões
Oi. Foto: Reprodução Facebook.

A Oi (OIBR3) e fundos geridos pelo BTG Pactual (BPAC11) fecharam um acordo de R$ 20 bilhões para que o banco possa assumir a gestão e expansão da rede de fibra, dentro do processo de recuperação judicial da tele. A proposta vinculante considera uma dívida líquida de R$ 4,10 bilhões. A informação foi divulgada por meio de um fato relevante nesta segunda-feira (12).

O montante contempla a compra de uma fatia do controle da rede, mais aportes de capital, em parcelas primária, secundária e adicional. A execução do projeto requer investimentos de aproximadamente R$ 25 bilhões até 2030, e pode fazer com que a rede neutra da Oi seja uma das maiores do mundo.

Os contratos assinados no último fim de semana determinam que fundos de private equity geridos pelo BTG terão prioridade no leilão da rede, que possui mais de 400 mil quilômetros de extensão e que atualmente é organizada dentro da chamada InfraCo.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Vídeo Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Vale ressaltar, contudo, que tanto o leilão como a forma da venda dependem de aprovação de juiz dentro do processo de recuperação judicial. Caso não apareça ninguém para disputar a rede no leilão, os fundos geridos pelo BTG têm a obrigação de arcar com a compra.

Após a conclusão do negócio, a Oi permanecerá como minoritária da InfraCo, ao mesmo tempo que será sua principal cliente, vendendo seus produtos por meio da rede. A InfraCo também venderá sua capacidade para outras operadoras.

Ao aceitar a proposta vinculante, a Oi concedeu aos fundos do BTG o direito de “cobrir a oferta de maior valor que seja eventualmente apresentada no referido processo competitivo de alienação parcial da InfraCo”, em um processo chamado de right to top (melhor oferta).

Oi deve acelerar expansão de fibra

Procurando otimizar sua alocação de capital, a Oi separou o ano passado para expandir a rede de fibra — e deve manter o ritmo acelerado em 2021, enquanto a rede não for transferida para um novo dono. Isso demandou a captação de R$ 2,5 bilhões em empréstimo.

No fim do ano passado, a tele tinha 9,1 milhões de casas passadas pela rede de fibra e 2,1 milhões de casas conectadas — quem efetivamente é cliente da empresa. O objetivo é terminar 2021 com até 15 milhões de casas passadas e entre 3,5 milhões e 4 milhões de residências conectadas.

Em dezembro, o faturamento reportado pelas assinaturas de internet banda larga com fibra atingiu R$ 180 milhões, o que representaria R$ 2,2 bilhões ao ano. A receita média por cliente (ARPU) teve um crescimento de 6%, na comparação entre o quarto trimestre de 2020 e 2019, indo para R$ 87.

“A Oi reitera seu compromisso com a execução de seu Plano Estratégico e o foco na sua transformação em maior provedora de infraestrutura de telecomunicações do país, a partir da massificação da fibra ótica e internet de alta velocidade”, diz o fato relevante.

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião

Manual 10 passos essenciais para se tornar um investidor de sucesso. Baixe Grátis!

Baixar agora!