Neoenergia (NEOE3) tem lucro líquido de R$ 1 bi no 2TRI, alta de 137%

Neoenergia (NEOE3) tem lucro líquido de R$ 1 bi no 2TRI, alta de 137%
Neoenergia. Foto: Reprodução Facebook

O lucro líquido da Neoenergia (NEOE3) encerrou o segundo trimestre deste ano em R$ 1,00 bilhão, um incremento de 137% na comparação com igual período de 2020.

A elétrica terminou o trimestre passado com um margem bruta de R$ 3,21 bilhões, 58% superior na base anualizada. De acordo com a Neoenergia, o resultado foi impulsionado por:

  • efeitos dos Reajustes Tarifários de 2021 de Coelba e Cosern (8,98% e 8,96%, respectivamente);
  • efeitos da Revisão Tarifária de Celpe (8,99%);
  • Reajustes Tarifários de 2020 da Elektro;
  • aumento do mercado;
  • maior valor novo de reposição;
  • aplicação do IFRS15 na transmissão de R$ 260 milhões, em razão do maior Capex;
  • melhor resultado nos negócios Eólicos;
  • Termopernambuco, por maior geração;
  • melhor margem na Comercializadora;
  • consolidação de Neoenergia Distribuição Brasília de R$109 milhões no trimestre.

Ebitda e receita operacional sobem

Como resultado dos impactos, o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) da companhia atingiu R$ 2,30 bilhões no período, um crescimento de 108% ante o ano passado, “confirmando a retomada do mercado, a manutenção da eficiência e disciplina de custos, os bons patamares de arrecadação, bem como o avanço na construção dos projetos de transmissão.”

A receita operacional líquida da Neoenergia cresceu 45%, para R$ 9,529 bilhões, entre os meses de abril e junho.

No segundo trimestre, a energia injetada alcançou 18.702 GWh, avançando 11% quando comparação ao mesmo período do ano passado. Desconsiderando a Neoenergia Distribuição Brasília, pois não estava no resultado de 2020, o crescimento foi de 23,7%.

As despesas operacionais somaram R$ 869 milhões no intervalo e apresentaram uma variação positiva de 22%.

A expansão deveu-se à paralisação de atividades de corte no ano passado por proibição da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e devido à pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Desconsiderando os R$ 81 milhões referentes à Neoenergia Distribuição Brasília neste trimestre, as despesas totalizaram R$ 788 milhões, alta de 11%.

A Perda Estimada para Crédito de Liquidação Duvidosa (PECLD) chegou a R$ 33 milhões, quando houve uma melhora de R$ 176 milhões em relação ao mesmo trimestre do ano anterior.

Última cotação de Neoenergia (NEOE3)

A ação ordinária da Neoenergia (NEOE3) subiu 1,59% no pregão desta terça-feira (20) e fechou a R$ 17,86.

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião