Semana do Fiagro

Michael Klein, da Via Varejo, negocia vender cerca de R$ 2 bi em galpões

Michael Klein, da Via Varejo, negocia vender cerca de R$ 2 bi em galpões
Michael Klein deixa presidência do CDA da Via Varejo (VVAR3)

O empresário brasileiro Michael Klein afirmou nesta quarta-feira (9) que está negociando a venda de até 13 galpões logísticos. A declaração ocorreu por meio de uma nota enviada ao jornal “Valor Econômico”.

A informação sobre a venda dos galpões por Michael Klein foi divulgada no início do dia pelo site “Brazil Journal”, no entanto, ainda não era oficial. De acordo com o veículo, as propriedades estão avaliadas em carca de R$ 2 bilhões.

De acordo com o comunicado assinado por Klein, a venda dos galpões faz parte da estratégia de reposicionamento para os ativos do Grupo CB. Além de presidente do conselho de administração da Via Varejo, o executivo é diretor-presidente do CB.

Conforme as informações divulgadas pelo site, a venda está sendo direcionada pelo Bradesco BBI. O empresário, até o momento, já recebeu 12 propostas para a venda.

Entre as principais, estão as feitas por Blackstone/BlueMacaw, Brookfield, Credit Suisse, Hemisfério Sul Investimentos (HSI) e um consórcio formado pela Cyrela Commercial Properties.

Atualmente, dois terços do portfólio que será vendido estão alugados para a Via Varejo, segundo o site. No entanto, a maior parte estão com preços de aluguel inferiores à média do mercado. Além disso, 90% dos galpões possuem contratos de aluguel para longo prazo.

De acordo com analistas, a venda pode ocorrer para que Klein possa aumentar os investimentos em sua empresa de aviação, a Icon, ou para aumentar a posição do executivo na Via Varejo.

Expansão do comércio eletrônico da Via Varejo

No último mês, Klein informou que um grupo de representantes da Via Varejo estava na China. A visita ao país asiático teve como objetivo a busca por novas tecnologias de comércio eletrônico.

Saiba mais: Via Varejo estuda novas tecnologias para expandir comércio eletrônico

Os executivos da gigante varejista visitaram empresas como Alibaba e Tencent, que oferecem serviços digitais. “A gente quer recuperar a imagem e o histórico da Casas Bahia e do Ponto Frio, voltar às origens, mas com tecnologia digital”, afirmou o executivo.

Uma das inovações que a companhia pretende fazer, é o uso do crediário digital. “Os antigos gestores não tinham o crediário como prioridade. Vamos resgatar esses clientes que estão na nossa base, mas oferecendo crediário de forma totalmente digital”, disse Michael Klein.

Giovanna Oliveira

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO