AGENDA

Mercado de seguros fatura R$ 32,5 bilhões no 1º tri, revela IRB Brasil (IRBR3)

Mercado de seguros fatura R$ 32,5 bilhões no 1º tri, revela IRB Brasil (IRBR3)
Seguros. Foto: Pixabay

O mercado de seguros registrou volume recorde e faturou R$ 32,5 bilhões no primeiro trimestre de 2021, valor 12,2% superior ao apurado no ano passado, segundo dados do Boletim IRB+Mercado, relatório realizado pelo IRB Brasil (IRBR3).

Em março, o faturamento do setor de seguros atingiu R$ 11,5 bilhões, alta de 14% na comparação com o mesmo mês no ano passado. É o décimo mês consecutivo de alta.

O segmento de Vida representou 36% do faturamento do mercado entre janeiro e março, quando a divisão obteve faturamento de R$ 11,8 bilhões. Em seguida, aparecem Automóveis (R$ 8,6 bilhões); Corporativo de Danos e Responsabilidades (R$ 6,4 bilhões); Individual contra Danos (R$ 3 bilhões); Rural (R$ 1,8 bilhão); Crédito e Garantia (R$ 1 bilhão).

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Já no acumulado de março, os segmentos de seguros tiveram faturamento de R$ 4,2 bilhões (Vida); R$ 3,1 bilhões (Automóveis); R$ 2 bilhões (Corporativo de Danos e Responsabilidades); R$ 956 milhões (Individual contra Danos); R$ 858 milhões (Rural) e R$ 403 milhões (Crédito e Garantia).

Crescimento do setor de seguros no 1T21

Os seguros de Vida individuais e coletivos tiveram alta de 15,1%, no primeiro trimestre do ano, seguidos do Prestamista, que detém 32% do segmento de Vida e cresceu 4,8%.

Automóveis, o qual sofreu os impactos da pandemia, manteve, nos dois últimos meses do trimestre, taxas positivas de evolução e fechou o primeiro trimestre com crescimento de 2,9% na base anual. Pelo segundo mês consecutivo, houve crescimento do faturamento.

Corporativo de Danos e Responsabilidades foi a linha que mais gerou faturamento para o mercado no comparativo entre o primeiro trimestre de 2021 e 2020: R$ 1,4 bilhão a mais, seguido de Vida com aumento de R$ 874 milhões.

O segmento Corporativo de Danos e Responsabilidades conquistou a maior taxa de crescimento da série histórica desde 2014 para o primeiro trimestre de um ano: 28,3%. Riscos Nomeados e Operacionais foi a cobertura que mais contribuiu para o desempenho deste segmento (25,7%), seguido por Lucros Cessantes que triplicou o faturamento. Houve recorde de faturamento na cobertura de Petróleo (R$ 457,8 milhões), alta de 69,9%.

O seguro Individual contra Danos avançou 16,5% no acumulado entre janeiro e março. Os produtos que mais contribuíram para o crescimento do segmento foram Compreensivo Empresarial (alta de 26,1%), Compreensivo Residencial (14,3%) e Fiança Locatícia (57,4%). Já o setor Rural, manteve o ritmo que vem obtendo desde 2020 e teve variação positiva de 40,7% no primeiro trimestre de 2021, bem como 44,7% no mês de março. Outro destaque foi o segmento Crédito e Garantia que avançou 9,8% no trimestre, sobretudo devido ao produto Crédito Interno (33,4%).

Em março, o índice de Despesas com Sinistros Ocorridos sobre o Faturamento de Competência apresentou aumento de 2,1 pontos percentuais no comparativo anual. No trimestre, o mercado de seguros apurou um incremento de 2,9 pontos percentuais do indicador.

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião