Linx (LINX3) compra 40% da Neomode por R$ 7 milhões

Linx (LINX3) compra 40% da Neomode por R$ 7 milhões
Linx. Foto: Reprodução Facebook

A Linx (LINX3) comprou 40% de participação na Neostore Desenvolvimento de Programas de Computadores (Neomode), por meio de sua subsidiária Linx Sistemas e Consultoria, por um total de R$ 7 milhões.

A operação ainda precisa ser aprovada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Em fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a Linx destaca que a Neomode oferece um canal de vendas e plataforma app commerce white label (plataforma desenvolvida por uma empresa, mas que recebe a marca de uma parceira) com integrador agnóstico a Enterprise Resource Planning (ERP), Point of Sale (PDV), ecommerces e gateways com soluções baseadas em nuvem.

O objetivo principal da aquisição feita pela Linx é o desenvolvimento e fornecimento de soluções que integram canais online e lojas físicas no conceito omnichannel com a utilização de seu aplicativo e integrador. O modelo de negócio é baseado em receita recorrente (SaaS), composta por mensalidade e volume transacionado.

A Neomode possui atualmente mais de 3.330 lojas físicas no sistema “clique e retire, delivery e drive thru”. O faturamento da empresa estimado para 2021 é de R$7,5 milhões.

Veja também:

Cade aprovou aquisição da Linx pela Stone

No mês passado, o Cade aprovou a aquisição da Linx pela STNE Participações, que pertence ao Grupo Stone (Nasdaq: STNE). O Tribunal deu aval à operação, em definitivo, sem restrições.

A Superintendência-Geral do Cade havia aprovado o negócio em março deste ano. No entanto, alguns dias depois, as empresas Adyen do Brasil, Banco Safra e Cielo, habilitadas como terceiras interessadas no ato de concentração, apresentaram recursos contra a decisão. O caso foi levado então ao Tribunal do Conselho, sob a relatoria do conselheiro Sérgio Ravagnani.

Ravagnani optou por negar os recursos de concorrentes, entre elas a Cielo, e disse que o negócio envolvendo a Linx não traz prejuízos à concorrência.

(Com informações do Estadão Conteúdo)

Redação Suno Notícias

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO