Leilão da Cedae: Águas do Brasil arremata bloco 3 por R$ 2,2 bi, com ágio de 90%

A Águas do Brasil foi vencedora do leilão do bloco 3 da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae), com o lance de R$ 2,201 bilhões. O ágio da proposta foi de 90%. Realizado nesta quarta-feira, 29, na B3, em São Paulo, o leilão tinha outorga mínima de R$ 1,16 bilhão.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/1420x240-2.png

Duas empresas apresentaram propostas para o certame desta quarta-feira. A outra proposta foi apresentada pela Aegea Saneamento, no valor de R$ 1,572 bilhões (ágio de 35,7%). Como a diferença entre as propostas foi superior a 20%, não houve disputa por viva-voz.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Controle-de-Investimentos.png

Com o resultado, a Águas do Brasil assume o serviço de saneamento básico de uma área formada por bairros da zona oeste do município do Rio de Janeiro e mais 20 cidades fluminenses. A empresa vencedora terá que investir R$ 4,7 bilhões ao longo dos 35 anos de contrato de concessão para universalizar água e esgoto nas áreas concedidas.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Esta foi a segunda rodada de concessões de saneamento pelo governo estadual do Rio em 2021. Em abril, o governo fluminense ofereceu quatro áreas separadas, com investimento total de R$ 30 bilhões em obras. Dessas quatro áreas ofertadas, três foram arrematadas naquele leilão, com outorgas que somaram R$ 22,7 bilhões, mais do que o dobro do valor mínimo de R$ 10 bilhões.

Já a área que acabou não recebendo propostas em abril, conhecida como “bloco 3”, foi reformulada e ampliada – e acabou arrematada nesta quarta-feira. No desenho inicial, o bloco incluía seis cidades do interior e os bairros da zona oeste da capital. Agora, são 20 municípios do interior, além dos bairros cariocas.

Dia histórico

Na coletiva, após o pregão, o governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, afirmou que hoje “é mais um dia histórico para a cidade, oito meses depois do primeiro leilão”. Segundo o governador, a operação superou questões, inclusive de segurança pública, “e mais uma vez demonstrou a força do estado perante os investidores, a classe empresarial”. Castro afirmou que o estado vem se recuperando de forma “galopante” em todas as áreas, trazendo novo ambiente de negócios e novo momento para o Rio, que tem se traduzido em vitórias.

O governador destacou que o Rio hoje volta a ser um local para se investir, e foi o primeiro estado a recuperar 100% dos empregos perdidos durante a pandemia. “É um estado hoje onde o diálogo reina, em detrimento de alguns outros locais”. Ele lembrou que o Rio apresenta índices baixos epidemiológicos da covid-19, vencendo também a Influenza.

“Ou seja, o Rio de Janeiro volta a brilhar para o Brasil e o mundo inteiro”. Castro disse que o Rio de Janeiro é um estado que está reaprendendo a andar com as próprias pernas, sem dever a servidores e a fornecedores. Depois de seis anos, pela primeira vez, o governo fluminense mandou à Assembleia Legislativa um orçamento sem previsão nenhuma de déficit mas, ao contrário, com superávit de R$ 3 bilhões, ressaltou.

Para o governador, o leilão de saneamento é uma questão fundamental. “Saneamento é uma prioridade“, afirmou, sinalizando que significa dignidade para a população e desenvolvimento econômico. O governo continuará trabalhando na área em 2022, em conjunto com as concessionárias, bem como em transformar a Cedae em uma grande estatal distribuidora de água.

Empréstimo ponte

O diretor-presidente do Grupo Águas do Brasil, Cláudio Abduche, informou que tem conversado com bancos para viabilizar o financiamento para a empresa, que será feito com empréstimo ponte e recursos próprios. “A Águas do Brasil é uma empresa com poder de alavancagem muito grande e baixo endividamento. Isso nos permitiu dar uma proposta forte para ganhar esse bloco.”

Abduche disse que a companhia está acompanhando a programação de novos leilões e tem interesse em participar do leilão de concessão de saneamento de Porto Alegre, cuja modelagem está sendo feita pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), com previsão de ocorrer em 2022.

Carteira

O diretor de Infraestrutura, Concessões e PPPs do BNDES, Fábio Abrahão, informou que na área de saneamento estão previstos, para 2022, leilões de três ativos: da Corsan, no interior do Rio Grande do Sul; da região de Porto Alegre; e uma parceria público privada (PPP) no Ceará, que deverá ser dividida em dois blocos. Juntos, os ativos representam investimentos diretos em torno de R$ 10 bilhões.

Para 2023, o banco espera realizar leilões dos serviços de abastecimento de água e saneamento de Sergipe, Paraíba, Rondônia. A expectativa é de que outros estados venham a aderir ao programa, beneficiando entre 35 a 40 milhões de brasileiros, segundo o diretor.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2021/09/960x136-1-1.png

Com Estadão Conteúdo e Agência Brasil

Redação Suno Notícias

Compartilhe sua opinião