Administração do Inter (BIDI11) propõe desdobramento de ações

Administração do Inter (BIDI11) propõe desdobramento de ações
Acionistas do Inter votarão desdobramento de ações

O Banco Inter (BIDI11) convocou os seus acionistas para decidirem em assembleia extraordinária marcada para o dia 28 de abril sobre um possível desdobramento das ações ordinárias e preferencias da instituição. A administração propõe que cada ação seja dividida em três, o que, segundo o documento, não altera o valor do capital social da empresa.

“O desdobramento das ações tem o propósito de aumentar a liquidez dos papéis ordinários e preferenciais do Inter no mercado, considerando que uma quantidade maior de ações, potencialmente, incrementa o negócio”, diz o documento.

Além disso, a administração do banco acredita que, com o desdobramento, é possível que ocorra um ajuste na cotação das ações: com o preço por ação mais atrativo, ela será mais acessível a um número maior de investidores e potencialmente mais buscada (com demanda maior).

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Vídeo Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Se a operação for acatada, a assembleia extraordinária votará também para alterar o capital social do Inter para que o novo número de ações seja implementado no documento.

Assembleia do Inter votará também formação do Conselho Fiscal

A assembleia do Inter, além do desdobramento, votará também a instalação do conselho fiscal e a possível reeleição dos atuais membros para o mandato vigente entre 2021 e 2022. A administração do Inter propõe que a atual formação seja mantida para o período.

Os salários do membros da administração e do conselho fiscal também serão debatidos, bem como as demonstrações financeiras do banco do último ano.

Apesar de crescimento do número dos clientes, lucro cai

Apesar de ter chegado à marca de 10 milhões de clientes, o Inter viu seu lucro cair em 2020 ficando em R$ 4,6 milhões no quarto trimestre, baixa de 93% na base anual.

O Inter vêm apostando no aumento de despesas, priorizando o crescimento ao invés de retornos financeiros.

Vitor Azevedo

Compartilhe sua opinião