Inflação em alta: até quando o preço dos alimentos vai subir?

Inflação em alta: até quando o preço dos alimentos vai subir?
Inflação IPCA; Foto Unsplash

A inflação tem dado uma forte dor de cabeça para os brasileiros em 2022, e uma das grandes dúvidas neste momento é: até quando a inflação vai seguir em alta? Ontem, o tema ganhou destaque depois que o governo federal anunciou que vai zerar a alíquota do imposto de importação de alguns alimentos.

A percepção dos especialistas é de que poderá ocorrer uma desaceleração daqui para frente, principalmente a partir de julho, principalmente nos alimentos in natura, devido a condições climáticas desfavoráveis vistas desde o começo do ano.

Segundo Guilherme Moreira, coordenador do IPC-Fipe, os alimentos devem reduzir o ritmo de aumentos a partir de julho, com os in natura já começando a diminuir em maio. “Mas, no curto prazo, não vai ter muito alívio, pelo menos neste ano”, afirmou. “Alimentação vai ser o grupo que mais vai pesar pro consumidor, sem dúvida nenhuma.”

A previsão de inflação da Fipe está em torno de 8% ao ano no geral e mais de 15% para alimentação. “Algum alívio só a partir de 2023”, finaliza.

Na segunda-feira passada (3), o mercado elevou pela 16ª semana consecutiva a previsão para a inflação de 2022, agora para 7,89%, de acordo com os dados do mais recente Relatório Focus, do Banco Central.

A previsão geral para a inflação geral deste ano da FGV está atualmente em 7,7%, pouco abaixo de 8% ao ano.

Já para a inflação de alimentos, a expectativa é de 13% ao ano. “A nossa previsão de inflação está muito alta. A meta do ano é de 3,5%, o teto da meta é 5% e nós já estamos em uma inflação próxima de 8%”, afirma André Braz, economista e coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV/Ibre), reiterando que a inflação alimentícia está muito acima da média. Para ele, esse fator será determinante para as famílias em 2022.

Ontem, o governo federal anunciou que vai zerar a alíquota do imposto de importação de sete categorias de produtos alimentícios para tentar reverter este quadro.

Os produtos alimentícios que tiveram a alíquota de importação totalmente zeradas são:

  • carnes desossadas de bovino, congeladas (imposto era de 10,8%);
  • pedaços de miudezas, comestíveis de galos/galinhas, congelados (imposto era de 9%);
  • farinha de trigo (imposto era de 10,8%);
  • outros trigos e misturas de trigo com centeio, exceto para semeadura (imposto era de 9%);
  • bolachas e biscoitos, adicionados de edulcorante (imposto era de 16,2%);
  • outros produtos de padaria, pastelaria, indústria de biscoitos, etc. (imposto era de 16,2%) e
  • milho em grão, exceto para semeadura (imposto era de 7,2%).

IPCA teve maior alta desde 1996 em abril

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quarta-feira (11) os dados do medidor oficial de inflação, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), para abril. A variação mensal é de 1,06% no acumulado do mês, maior alta para abril desde 1996, quando o país viu o índice avançar 1,26%.

Um dos maiores vilões é o mesmo dos últimos meses: alimentação. No grupo do IPCA de alimentos e bebidas, a alta foi puxada pela elevação dos preços dos alimentos para consumo no domicílio, que alcançaram 2,59%.

Outro medidor que aponta o aumento do preço dos alimentos é o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que mede a inflação na cidade de São Paulo. O indicador subiu 1,62% em abril, de acordo com os dados da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

No grupo específico de alimentação, o crescimento foi de 2,43% em março para 3,38% em abril.

De acordo com André Braz, a inflação de alimentos apenas em 2022 está em torno de 13%. No ano passado, a inflação geral fechou em 10,06%, o que resultou em um aumento equivalente no salário mínimo deste ano.

O economista aponta que os alimentos estão acumulando um aumento real acima da inflação média. Quando isso acontece, as cestas de consumo das famílias diminuem significativamente, uma vez que o salário não é capaz de acompanhar os preços mais altos.

“Você vai ter que substituir produtos, comprar menos. Diminui a satisfação porque a cesta muda. Isso é mais expressivo em famílias de baixa renda, principalmente se não têm salário indexado à inflação, [como] prestadores de serviço”, afirma André Braz.

O prestador não consegue incorporar a alta da inflação nos serviços. “Então, sempre que os alimentos sobem de preço, e aumentam mais que a inflação média, as famílias de baixa renda comem menos e têm menos acesso à alimentação básica”, diz.

Moreira, coordenador do IPC-Fipe, ressalta que, entre o período da pandemia e considerando os quatro primeiros meses de 2022, a alimentação subiu em torno de 40%. “Dificilmente qualquer aumento de salário vai compensar uma alta dessa magnitude”, afirmou.

Inflação na feira livre: começo da desaceleração

A forte alta de alimentos da feira foi o maior destaque dentre os grupos da cesta das famílias no IPC-Fipe. Um exemplo é a cenoura, que até março de 2022 já apontava uma alta acumulada de 166,17% em doze meses, conforme os dados do IBGE para o mês. Além disso, o tomate teve a maior alta para o março, com aumento de 27,22%, na comparação com o mês anterior.

Guilherme Moreira destaca que o aumento foi maior no primeiro trimestre do ano e, em abril, um pouco menor. Mas, analisando-se os dados da alta acumulada do grupo legumes, por exemplo, o valor alcança +50% nesses quatro meses. “É muita coisa, mesmo quando a gente compara com a alimentação, que subiu em torno de 10%”, diz.

Inflação de alimentos medida pelo IPC-Fipe, acumulado de janeiro a abril de 2022
Inflação de alimentos medida pelo IPC-Fipe, acumulado de janeiro a abril de 2022

Houve muita chuva no período, o que prejudicou muito o preço da comida. “Foi um fator climático que deve se encerrar agora em abril, com o fim do período de chuvas. Portanto, os preços devem começar a cair. A cenoura, por exemplo, já apresentou [pequena] queda no mês”, exemplifica ele.

Entretanto, as condições climáticas não foram as únicas culpadas para a escalada dos preços dos alimentos. André Braz aponta que o aumento de custos relacionados a adubos e fertilizantes defensivos também têm parte da responsabilidade.

Além disso, há a questão dos combustíveis, que afetam o frete dos produtos, tornando o escoamento da produção agrícola mais caro. Todas essas variáveis entram como motivos para o crescimento de preços e chegam ao consumidor final.

“Por problemas climáticos, você tem uma oferta menor. Em paralelo ao aumento de custos, há uma feira livre cada vez mais cara”, reforça o economista da FGV. Com a chegada do outono e inverno, período de condições de clima mais propício e aumento da oferta, boa parte dessa pressão em feira livre deve começar a ceder no começo de maio.

A CEAGESP (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo) divulgou na semana passada seu índice de preços de abril, que recuou 3,96% em comparação a março.

A entidade afirmou que, “em um contexto geral, observa-se recuperação ou restabelecimento na oferta dos produtos devido à melhora nas condições climáticas”.

A expectativa para maio é de que o índice continue a desacelerar justamente pela estabilização das condições climáticas, retomada da oferta dos produtos e a estagnação da procura.

Victória Anhesini

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO