Índices futuros de NY e bolsas europeias operam em queda nesta sexta

Os mercados internacionais operam de forma distinta nesta sexta-feira (3). Os índices futuros de Nova York operam em queda, assim como abrem as bolsas europeias, porém, diferente de como encerram as asiáticas.

Por volta das 7h10, os índices norte-americanos apresentavam queda. O futuro Dow Jones registrava queda de 1,36% e o S&P500 futuro caía 1,29%. Por sua vez, a Nasdaq operava a -1,29%.

Os indicadores acionários globais estão esperando a divulgação do relatório de empregos dos Estados Unidos, que será divulgado nesta sexta-feira às 9h30. Na última quinta-feira (2), o Departamento do Trabalho dos EUA apresentou que 6,6 milhões de empregos foram eliminados devido ao impacto da pandemia do novo coronavírus (covid-19).

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/1420x240-2.png

Na Europa, os índices das bolsas registravam queda. O Reino Unido operava em queda de 1,23% e França caía 1,03%. Na Itália a bolsa desvalorizava 1,18% e Alemanha queda de 0,46%.

As bolsa europeias abriram em queda com a queda no índice de gerentes de compras (PMI) da zona do euro. O indicador caiu de 51,6 em fevereiro para a mínima histórica de 29,7 em março, em meio aos efeitos da crise da pandemia da covid-19. A pesquisa foi divulgada na última quinta pela IHS Markit.

Bolsa em queda livre!? Aproveita as maiores oportunidades da bolsa brasileira com nosso acesso Suno Premium

Algumas bolsas asiáticas encerraram em alta e outras em queda. A bolsa de Hong Kong encerrou o pregão com uma desvalorização de 0,19% e a da Coreia do Sul com alta de 0,03%. Na China, o principal índice das ações das bolsas finalizou o dia em queda de 0,60%. A bolsa do Japão foi a única que encerrou em alta de 0,01%.

O Petróleo WTI avançava 2,05%, sendo negociado a US$ 25,84o barril. Por sua vez, o Petróleo Brent subia 5,88%, a US$ 31,60 o barril.

O medo do avanço da pandemia que assola o mundo preocupa os investidores, que procuram ativos livres de risco ou menos arriscados, como os títulos públicos norte-americanos e o dólar. A moeda estadunidense apresenta forte valorização frente às moedas emergentes, o que se reflete nos índices mundiais.

Poliana Santos

Compartilhe sua opinião