Ibovespa cai e tenta defender os 100 mil pontos; Natura (NTCO3) recua 9%

O Ibovespa opera em queda de 1,57% aos 100.191 pontos nesta quarta-feira (5), sem predominância de setores nas pontas do índice e com novidades em Brasília acerca do Arcabouço fiscal. O Índice chegou a perder os 100 mil pontos por volta das 11h45.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240-Banner-Home-1.png

Afeta o Ibovespa hoje o fato de que o governo postergou para a próxima terça (11), a entrega da proposta do novo arcabouço. O fato foi citado, inclusive, pelo presidente do Banco Central em falas no exterior.

Roberto Campos Neto, que estava em uma queda de braço com o Planalto, disse que ‘ainda existe uma ansiedade com relação às receitas’ do plano e que a avaliação é ‘superpositiva’, mas ainda há grandes expectativas sobre como a proposta deve passar pelo Congresso.

Nas bolsas mundiais, Wall Street opera sem sinal único, com alta de 0,17% no Dow Jones ante uma queda de 0,31% no S&P 500 durante as negociações que precedem a abertura de mercado (premarket).

Na Europa, alta de 0,32% em Londres (FTSE) ante uma queda de 0,57% em Frankfurt (DAX). Nesse contexto, o índice pan-europeu Stoxx-600 cai 0,31%.

Nas commodities, o Brent recua 0,6% a US$ 84,3 por barril. O minério de ferro não está sendo negociado devido a um feriado.

Os contratos futuros do dólar, com vencimento para maio, operam em queda de 0,52% a R$ 5,068.

Notícias que movimentam a Bolsa de Valores hoje

  • Assaí (ASAI3) quer rever investimentos
  • Natura volta a recuar após venda da Aesop
  • Ministro cita mudança na política de preços

Revisão de Investimentos do Assaí

Assaí (ASAI3) está avaliando a possibilidade de rever investimentos e considera vender lojas próprias. Em teleconferência nesta terça (4), Belmiro Gomes, presidente da empresa, revelou que a possibilidade foi levantada devido ao aumento do custo do capital com a escalada dos juros básicos (Selic).

“Pela pressão de juros, e uma alavancagem maior, é mais fácil uma revisão de investimentos ou venda de ativos de lojas próprias. Falo isso, pois há outras cartas na mesa antes de uma primária”, afirmou o executivo.

O presidente do Assaí ainda falou sobre a especulação levantada nos últimos dias de que a companhia faria uma oferta primária de ações. Gomes negou a informação e disse que não discussões sobre, mas destacou a revisão dos investimentos.

“O que temos é uma discussão, ainda em andamento, sem decisão tomada, de revisão de investimentos orgânicos em 2023 e 2024, para fazer frente ao aumento do custo da dívida”, disse o executivo do Assaí.

Os papéis caem mais de 8% no Ibovespa hoje, sendo a maior queda do intradia.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240_TEXTO_CTA_A_V10.jpg

NTCO3 volta a cair

Após a venda da Aesop pela Natura, os papéis voltam a cair mais de 6% no intradia, sendo a segunda maior baixa do índice.

Para analistas do JPMorgan, isso se dá pois é “difícil defender que essa operação está precificada”.

“Entendemos que, dada a perspectiva desafiadora, com todas as complexidades de integração e recuperação de ativos de vários países, é difícil conceder todo o benefício da dúvida”, diz a casa.

Para os especialistas, ainda há discussão se a Aesop é ou não o melhor ativo da Natura, e além disso há alguns riscos de execução.

Vale destacar que o JPMorgan mantém recomendação de compra para os papéis NTCO3.

Mudanças na Petrobras?

Em entrevista à GloboNews, o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, sinalizou uma possível mudança na política de preços da Petrobras, classificando as atuais diretrizes como ‘absurdas’.

A expectativas é de que o diesel fique de R$ 0,22 a R$ 0,25 mais barato com uma adesão aos preços do mercado nacional.

Os papéis caem mais de 2,7% no intradia e renovam suas mínimas.

Maiores altas e baixas do Ibovespa

Última cotação do Ibovespa

Ibovespa encerrou o pregão da terça-feira (4) em alta de 0,36%, aos 101.869 pontos.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Dividendos.png

Eduardo Vargas

Compartilhe sua opinião