Ibovespa abre em queda com aversão ao risco global; Vale (VALE3) e Petrobras (PETR4) caem, Weg (WEGE3) sobe e dólar dispara

O Ibovespa abriu a sessão desta terça-feira (16) em queda, e por volta das 10h20, o índice recuava 0,84%, aos 124.281 pontos.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/Lead-Magnet-Dkp-1.png

O petróleo tem leve queda nesta manhã, enquanto a Petrobras acompanha o viés negativo: Petrobras ON (PETR3), -0,54% a R$ 40,67 e Petrobras PN (PETR4), -0,56% a R$ 39,09.

Já o minério de ferro fechou em queda nesta madrugada em Dalian, na China, impactando negativamente a Vale (VALE3), que recua 1,16% a R$ 61,27.

A maior alta do Ibov no início de sessão é da Marfrig (MRFG3), +0,96% a R$ 10,53. Weg (WEGE3), +0,93% a R$ 37,99 e Minerva (BEEF3), +0,83% a R$ 6,09, completam o top-3.

Na ponta negativa do índice Bovespa, Magazine Luiza (MGLU3) lidera as perdas com -3,92% a R$ 1,47, seguida por CVC (CVCB3), -3,45% a R$ 1,96 e Assaí (ASAI3(, -3,13% a R$ 13,30.

No radar dos investidores

O mercado hoje deve seguir repercutindo a escalada nas tensões no Oriente Médio, com o ataque feito pelo Irã contra Israel no final de semana; as vendas no varejo acima do esperado nos Estados Unidos, o que empurra os treasury yields para cima; e o afrouxamento da meta fiscal brasileira.

A temporada de balanços do 1T24 nos Estados Unidos também fica no radar, com grandes bancos como Bank of America e Morgan Stanley divulgando seus resultados hoje. Nesta terça-feira, também é esperado um discurso do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell.

A China também é motivo de interesse dos investidores hoje. Isso porque o PIB do país cresceu 5,3% no primeiro trimestre frente ao mesmo período do ano passado, acima do esperado. No entanto, os dados mensais de produção industrial e de varejo ficaram abaixo do consenso, o que contribuiu para o forte recuo das bolsas chinesas hoje, além da queda do minério de ferro.

Maiores altas e baixas do Ibovespa

Cotações de Ações
Cotações extraídas em 16/04/2024 às 10:38

Cotação do dólar

A cotação do dólar hoje salta 1,39% a R$ 5,2575.

O dólar hoje mantém a escalada da véspera e acompanha a alta dos treasury yields nos Estados Unidos.

Bolsas asiáticas fecham em queda com Oriente Médio e dados chineses

As bolsas asiáticas fecharam em baixa significativa nesta terça-feira (16), em meio às persistentes tensões no Oriente Médio e após divulgação de dados econômicos mistos da China.

Hoje, na Ásia, a aversão a risco prevaleceu diante da expectativa de que Israel responda aos ataques aéreos que sofreu do Irã no fim semana. A maior preocupação é que uma escalada do conflito no Oriente Médio impulsione o petróleo, alimente a inflação e atrapalhe os planos de grandes bancos centrais de começar a reduzir juros.

O índice japonês Nikkei teve queda de 1,94% em Tóquio hoje, a 38.471,20 pontos, enquanto o Hang Seng caiu 2,12% em Hong Kong, a 16.248,97 pontos, o sul-coreano Kospi recuou 2,28% em Seul, a 2.609,63 pontos, e o Taiex registrou baixa de 2,68% em Taiwan, a 19.901,96 pontos.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/1420x240.jpg

Na China continental, o dia também foi de perdas expressivas, de 1,65% no caso do Xangai Composto, a 3.007,07 pontos, e de 3,77% no do menos abrangente Shenzhen Composto, a 1.638,44 pontos.

O Produto Interno Bruto (PIB) chinês teve expansão anual de 5,3% no primeiro trimestre de 2024, bem maior do que se esperava, mas tanto a produção industrial quanto as vendas no varejo avançaram menos do que o previsto em março. Além disso, o setor imobiliário da China segue em dificuldades.

Na Oceania, a bolsa de Sydney acompanhou o mau humor generalizado. O índice australiano S&P/ASX 200 amargou queda de 1,81%, a 7.612,50 pontos, atingindo o menor patamar em quase dois meses.

*Com informações da Dow Jones Newswires e Estadão Conteúdo

Último fechamento do Ibovespa

O Ibovespa fechou a sessão de segunda-feira (15) em queda de 0,49%, aos 125.333,89 pontos

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/1420x240-2.png

Guilherme Serrano Silva

Compartilhe sua opinião