DIVIDENDOS

IBC-Br, prévia do PIB, sobe 0,44% em abril ante março, revela BC

IBC-Br, prévia do PIB, sobe 0,44% em abril ante março, revela BC
IBC-Br. Foto: Pixabay

Apesar da segunda onda da pandemia do novo coronavírus, a atividade econômica brasileira avançou em abril, após ter recuado em março. O Banco Central informou nesta segunda-feira (14) que seu Índice de Atividade (IBC-Br), prévia do Produto Interno Bruto (PIB),  subiu 0,44% em abril ante março, na série já livre de influências sazonais. Em março, o indicador havia recuado 1,61% (dado revisado).

Os efeitos da pandemia do novo coronavírus sobre a economia, percebidos em fevereiro do ano passado, se intensificaram em todo o mundo a partir de março. Para conter o número de mortos, o Brasil adotou o isolamento social em boa parte do território, o que impactou a atividade econômica.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Vídeo Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Os efeitos negativos foram percebidos principalmente em março e abril de 2020. Após este período, o IBC-Br passou a reagir, até que a segunda onda provocasse, no início de 2021, novos fechamentos de empresas. Em março, a atividade econômica recuou, mas em abril ela voltou a avançar.

Prévia do PIB fica em linha com o esperado pelo mercado

De março para abril de 2021, o índice de atividade calculado pelo BC passou de 139,04 pontos para 139,65 pontos na série dessazonalizada. Este é o maior patamar desde fevereiro deste ano (141,31 pontos).

A alta do IBC-Br ficou dentro do intervalo projetado pelos analistas do mercado financeiro consultados pelo jornal o Estado de S.Paulo, que esperavam resultado entre +0,20% e +2,20% (mediana em +1,20%).

Na comparação entre os meses de abril de 2021 e abril de 2020, houve alta de 15,92% na série sem ajustes sazonais. Esta série encerrou com o IBC-Br em 138,09 pontos em abril.

O indicador de abril de 2021 ante o mesmo mês de 2020 mostrou desempenho dentro do intervalo projetado pelos analistas do mercado financeiro consultados pelo Estadão, que esperavam resultado entre +12,60% e +23,10% (mediana em +18,10%). O bom desempenho na comparação interanual é justificada pelo forte recuo do indicador em abril de 2020, no auge da primeira onda de covid-19.

Conhecido como uma espécie de “prévia do BC para o PIB”, o IBC-Br serve mais precisamente como parâmetro para avaliar o ritmo da economia brasileira ao longo dos meses. A projeção atual do BC para a atividade doméstica em 2021 é de alta de 3,6%.

No Relatório de Mercado Focus divulgado pelo BC na manhã desta segunda-feira, a projeção é de alta de 4,85% para o PIB em 2021. O Focus reúne as projeções dos economistas do mercado financeiro.

IBC-Br acumula alta de 4,77% no ano 

Em meio à segunda onda da pandemia do novo coronavírus, o IBC-Br acumulou alta de 4,77% no ano até abril, informou o Banco Central. O porcentual diz respeito à série sem ajustes sazonais. Pela mesma série, o IBC-Br apresenta baixa de 1,20% nos 12 meses encerrados em abril.

O BC informou ainda que o IBC-Br registrou alta de 1,29% no acumulado do trimestre até abril de 2021 na comparação com os três meses anteriores, pela série ajustada sazonalmente.

(Com informações do Estadão Conteúdo)

Poliana Santos

Compartilhe sua opinião

Receba os destaques que irão movimentar o cenário econômico antes da abertura do mercado.

Inscreva-se