Por que VRTA11 é um dos maiores FIIs de papéis? Gestor do fundo explica

O fundo imobiliário VRTA11 está no mercado desde 2011, quando havia poucos fundos de papéis na indústria. Atualmente, com patrimônio líquido de R$ 1,5 bilhão, o gestor Rodrigo Possenti explica como o Fator Verità se transformou num dos 10 maiores FIIs do segmento de fundos de papéis, que investem em CRIs.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/07/Image_20230704_105729_406-1.png

Basicamente, a estratégia do VRTA11 é fazer a originação e estruturação dos ativos de crédito imobiliário, buscando a melhor relação entre risco e retorno. Porém, nem sempre as condições de mercado são as melhores.

Rodrigo Possenti lembra que em 2020 o fundo fez uma oferta e tiveram que alocar o capital de forma mais lenta. “Naquele contexto o mercado estava pujante, com excesso de liquidez. As estruturas que o VRTA11 fazia eram robustas e com boas garantias, mas as empresas ‘pulavam fora’, procurando taxas menores”.

O gestor acredita que segurar o capital naquele momento foi importante para a formação de uma carteira com melhor risco/retorno quando comparado com o restante do mercado. Em contrapartida, em duas ofertas seguintes o fundo fez alocações com mais agilidade.

Na alocação de 2021, o VRTA11 saiu do patamar de carteira de IPCA + 5.8%, para IPCA + 6.3%, com uma captação de 200 milhões. Já na emissão de cotas de 2022, o portfólio do fundo alcançou uma taxa melhor, de IPCA + 7%.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/02/1420x240-Banner-Home-1.png

“Fizemos uma oferta em um momento de menor liquidez do mercado, com uma carteira mais high grade, tivemos maior capacidade de oferecer determinados CRIs para as operações compromissadas reversas”, comenta o gestor.

Possenti alega que essas operações foram importantes para o crescimento do fundo. Nesse tipo de estratégia, os CRIs são usados como garantias para pegar recursos com bancos – “Com custo menor que o retorno do investimento, as compromissadas permitem alocações em momentos de menor captação”.

O VRTA11 está atento às oportunidades

Além do crescimento do fundo imobiliário VRTA11 nos últimos anos, o gestor também abordou sobre a nova situação do mercado, com a valorização dos FIIs.

A expectativa da queda da Selic e das taxas dos juros futuros pode trazer “bons ventos” para os fundos. “Existe uma correlação enorme do mercado de FIIs com as taxas de juros. Quando a taxa cai, o mercado ganha interesse”, diz Possenti.

Além disso, o gestor acredita que exista uma demanda reprimida para investir em fundos imobiliários. “Mesmo com uma economia difícil nos últimos 2 anos, ainda saímos de 1,5 milhões de cotistas para mais de 2 milhões em 2023. A base cresceu justamente nos piores anos da indústria”, argumenta o gestor do VRTA11.

Com o mercado melhorando, a consequência mais visível será uma nova onda de emissões de cotas e maior interesse da pessoa física pelos FIIs. Os sinais para isso são muitos, entre eles, a própria reação do IFIX no mercado, com a valorização das cotas dos FIIs, incluindo o próprio VRTA11.

Mês temático do Grupo Suno

Gostou do conteúdo? Acompanhe o Suno Notícias em mais uma semana temática sobre fundos imobiliários, neste link.

O Grupo Suno dedicará o mês de julho para comemorar os 30 anos dos FIIs, com patrocínio de patrocinados por Iridium, Fator, TG Core, REC, Guardian e XP Asset. Por meio de vários canais (redes sociais, notícias, vídeos, lives e conteúdos por e-mail), vamos levar informações sobre tudo que precisa saber sobre essa classe de investimento.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/02/1420x240-Banner-Home-2-1.png

Gustavo Bianch

Compartilhe sua opinião